Como sempre que faço os posts sobre o réveillon vejo um monte de gente me perguntando sobre essa ou aquela festa, resolvi já me preparar para próxima virada e perguntar aos meus fiéis leitores espalhados pelo Brasil como foi a virada deles. Assim, com as opiniões já postadas aqui no Sem Destino, vai ficar mais fácil você se decidir em qual festa vai passar a virada para 2011. Sei que ainda falta muito tempo, mas, quando chegar novembro, dezembro, vocês vão me agradecer. Separei as opiniões por estado, aproveitando para jogar no meio algumas histórinhas engraçadas que acabei colhendo nos meus contatos com os amigos do Sem Destino. Lembrando que, para não ficar com um post de 2km, dei uma cortada em alguns textos, mas sem alterar nenhuma palavra. Conforme for recebendo mais comentários e fotos, vou postando aqui. Se você quiser participar, mande um email para djpedroserra@gmail.com.

Rio de Janeiro –

 
 
 
Camila (esq.) no MAM

Camila (esq.) no MAM

MAM – Camila Azevedo saiu lá de Natal, no Rio Grande do Norte, e não queria se meter em furada. Escolheu a festa no MAM e saiu satisfeita:

“Passei o reveillon no MAM e sem dúvida foi a melhor escolha que fiz… ambiente maravilhoso, pessoas bonitas, muitos ambientes com vários estilos de músicas, buffet perfeito, banheiros limpos, as bebidas estavam maravilhosas conforme combinado… não faltou nada… tudo funcionou muito bem. Ou seja, para quem está atrás de comodidade e praticidade vá para esse réveillon que com certeza não se arrependerá”.

Hotel Intercontinental – Sem uma boa alma que me mandasse comentários sobre a festa no Intercontinental, recorri ao meu colega de redação Edgard Maciel de Sá para contar como foi o evento. Lembrando da cara dele de satisfação no plantão do dia 1º (sim, nós estávamos trabalhando, firmes e fortes… mais fortes do que firmes), já sabia que seriam palavras de elogio:
“Fui pela primeira vez à festa do hotel Intercontinental, o Réveillon Carioca, e gostei muito do evento. O espaço do hotel é bem grande e, apesar de bem cheio, não estava difícil de se movimentar pelos ambientes da festa. A distribuição de bebidas também era eficiente, com garçons circulando e bares onde era possível se servir em poucos minutos. Eram dois salões com músicas. Um com DJ e um som mais techno e o ambiente principal, com um palco, que começou com DJ e depois teve Ivo Meirelles com a bateria da Mangueira e MC Marcinho. Na hora da virada, a maioria dos presentes saiu do hotel para ver os fogos na Praia de São Conrado. Em outro ambiente do hotel, funcionava o restaurante, com jantar (entre 0h30 e 3h30) e café da manhã (das 4h às 8h)”.
 
 

 

Costa Brava – Quem escolheu o réveillon do Costa Brava parece não ter saído muito satisfeito. Uma pena, pois o clube é ótimo e eu já fui a grandes festas lá. A organização realmente deve ter se esmerado em fazer besteira. Os comentários foram os piores possíveis, a ponto de o leitor Jonnas, que levou a namorada gaúcha e oito amigos de Sampa para a festa, pensar em entrar na Justiça:

“Fiz uma propaganda enorme sobre o visual, festa open bar com Absolut e Red Bull… simplesmente meia noite e quinze já nao tinha energético no bar da piscina. O pior nem foi isso, em alguns bares encontrava-se red bull mas sob o encanto de uma vodca chamada OROSTOFF. Foram 650 reais, meus e de minha namorada, jogados no lixo. Passei raiva até para conseguir um copo de água pra ver o sol nascer… Me senti feito de otário e isso não acaba aqui. Vou tomar algumas medidas judiciais”.

Vanessa Andrade reclamou também da falta de mesas e do estacionamento:

“NUNCA aqui no Rio estive em uma festa tão ruim!! Já começou errado. Chegamos às 19:40 hs e ficamos rodando para tentar estacionar. Uma fila enorme nos esperava do lado de fora. Quando entrei (20:50hs), SUPRESA! Não tinha mesa. Uma amiga minha estava com a mãe que não podia ficar muito tempo em pé. A “organizadora” pediu que nos levantássemos porque o “evento” não foi feito para ficarmos sentados e que não colocaram mesas porque neste caso não caberia a metada das pessoas que estavam lá. Em outras palavras “O FOCO É DINHEIRO!!” Para piorar a comida foi um horror, a bebida acabou antes da hora, o café da manhã não existiu( tinha suco quente e NADA para comer)”.

Já o Thiago também reclamou do buffet e do estacionamento, mas acabou se divertindo mesmo assim:

“Logo que cheguei tive problemas, prometeram estacionamento, cheguei por volta das 21:00 e simplesmente falaram que eu só poderia colocar o carro em outro estacionamento. Lá em baixo, e voltar de van, que cobrava pela subida. Passando essa prova, entramos. A festa em si estava muito boa, não tenho o que reclamar de bebidas nem do primeiro buffet, agora, por volta das 3:00 o buffet estava horrível, uma fila gigantesca, que cheguei a ponto de desistir. Na balança geral o saldo foi positivo. Mesmo com esses dois problemas, gostei da festa”.

Riocentro – Mais uma festa que não recebeu boas avaliações dos leitores do Sem Destino. Segundo a colaboradoa Bruna Natal, por uma estranha coincidência este evento foi produzido pelo mesmo pessoal que organizou o réveillon do Costa Brava…

Bruna flagrou a briga por um copo de bebida

Bruna flagrou a briga por um copo de bebida

“A festa que acabei indo – e me arrependendo profundamente – foi a do Riocentro. Tudo péssimo!!!  A comida muito aquém da prometida. Tinham pouquíssimas variações – bem diferente do que foi ofertado. Bebida? Até 24:30h (cheguei na festa às 23h) eu só havia conseguido beber 1 copo de cerveja e super quente, porque o lugar onde pegava a bebida as pessoas estavam tentando se matar. Lá pelas 1:30h as pessoas que conseguiram sobreviver à seca já conseguiam pegar cerveja sem se matar. Aí tava até menos quente. Refrigerante? Só 1 copo a noite toda. Espumante? Acho que nem Sidra deve ser tão ruim. Os garçons que serviam as bebidas (dentro do tal bar) às vezes se reuniam num canto, ficavam rindo e não atendiam ninguém com a galera gritando.
 
Banheiro feminino é sempre um horror… Mas 4 cabines (além daqueles imundos banheiros químicos que não tive coragem de ir) para cerca de 800 mulheres é simplesmente sem cometários. Mas tudo bem, como quase não conseguia pegar bebida e a gente suava bastante, não precisava ir tanto ao banheiro.  Saí quase 2h e o Jorge Ben Jor que tava programado para começar à 1h nem tinha aparecido”.

Por aí – Quem não se aventurou pelas (caras) festas pagas, parece ter passado um réveillon mais tranquilo, como é o caso da Ana Rosa, que achou uma solução simples em cima da hora:

“Decidimos às 21:00 do dia 31!!! Eu não gosto de “muvuca” e minha família é grande (ou seja, tudo muito caro)… Assim, queríamos algo tranquilo e mais barato. Acabamos passando em um dos quiosques da Lagoa Rodrigo de Freitas. Foi ótimo, tinha DJ animado, vimos os fogos de longe, e depois ficamos dançando e as crianças brincando. Muito bom mesmo. Grata surpresa e solução melhor do que a encomenda”.

Débora Fridman optou pelas areias de Copacabana, seu marido teve a câmera roubada, mas ela não pareceu se importar, maravilhada que estava com os fogos:

“No final das contas, como as festas estava muito caras, acabei indo pra copacabana mesmo. Sai de ipanema e fui andando até a altura da Paula Freitas, tudo bem tranquilo. Quanto mais perto de Copa, maior a quantidade de gente, parecia procissão, mas todo mundo num clima muito legal. Nãao vi aquela poluiçãao de ambulantes pelo caminho. Chegando a Copa, muuuuuito cheio.. mas dava pra andar tranquilamente. Infelizmente, nossa camera foi roubada. Estava no bolso do meu marido e, quando fomos ver, ela tinha sumido. Apesar disso, achei bem calmo, um clima ameno, não tinha aquelas pessoas só na espreita de você dar bobeira e te assaltarem. Os fogos… MARAVILHOSOS!!!!! INDISCRITÍVEL!!!!

Anúncios
Se você está pensando em visitar Nova York entre janeiro e fevereiro, aí vai uma dica para você economizar alguns dolares. Com 200 promoções no cardápio, o Real Deal Winter, da organização de marketing e turismo NYC & Company, incluem entradas de atrações no esquema 2-por-1, créditos de US$ 50 em hotéis e descontos de 50% em estadias nas noites de domingo. Também há promoções em entradas de tearos, circos, tours… e até consultas médicas. Para usufruir, basta entrar no site escolher o programa e imprimir um voucher. Se você for fazer a reserva por telefone, há um código da promoção na página.
Confira abaixo algumas das promoções:
Atrações –
Madame Tussauds – compra uma entrada, leva outra.
Bronx Zoo – 50% de desconto na entrada de criança com a compra de uma de adulto.
The Jewish Museum – 50% de desconto.
Empire State Observatory – 50% de desconto no mapa
City Pass – passe com entrada para seis principais atrações de NY (Empire State, Museu de História Natural, Guggenheim, Metropolitan, MoMA e Cruseiro para a Estátua da Liberdade e Ellis Island) – Compre US$ 140 em tickets por US$ 79 e fure as filas.
Restaurantes
Angus McIndoe Restaurant e B.Smith’s restaurant segundo prato com 50% de desconto.
Russian Tea Room – Compre um buffet de caviar e ganhe 50% de desconto no segundo.
Noite –
The Bubble Louge  – Compre uma taça de champagne e gnhe 50% de desconto na outra.
Comix – 50% de deconto na entrada
Hotéis – em diversos hotéis, como o InterContinental New York Barclay e o SoHo Grand Hotel, fique um mínimo de duas noites (tendo chegado entre quinta e sábado) e ganhe um crédito de US$ 50 em comida e bebida e US$ 50 de crédito para usar em estadia em julho ou agosto de 2010.

———————————————————————————

Assista a vídeos exclusivos na TV Sem Destino

Veja todas as fotos das minhas viagem pelo mundo no Flickr do Sem Destino

Se você veio parar nesse post direto de algum mecanismo de busca, clique aqui para ler as outras matérias na página incial do Sem Destino.

Para ler as notícias fresquinhas do Sem Destino, assine o RRS Feed do blog

Siga o Sem Destino no Twitter – clique aqui

É carnaval

É carnaval

O carnaval do Rio de Janeiro já começou. Os ensaios técnicos das escolas de samba já estão bombando na Marquês de Sapucai e, neste fim de semana, faltando dois meses para a festa de Momo, diversos blocos tomam as ruas e casas de shows da cidade para começar a esquentar os tamborins.

Céu na Terra – A Orquesta Popular Céu na Terra, responsável pelo bloco de mesmo nome (um dos meus favoritos) que desfila em Santa Teresa, se apresenta nesta sexta-feira (11/09), na Casa Rosa, em Laranjeiras em mais uma edição do Bailes da Alice. Na outra pista, o DJ Zédoroque mostra o suingue de sua MPB dançante. Na semana que vem, quem se apresenta por lá é o Bloco Cru.
Casa Rosa:
Rua Alice 550, Laranjeiras — 2557-2562. Sex, às 23h. Orquestra Popular Céu na Terra e DJ Zédoroque (MPB). Mulher: R$ 15. Homem: R$ 30. Não recomendado para menores de 18 anos.

Céu na Terra

Céu na Terra

Empolga às 9 – Também nesta sexta, o Empolga às 9, popular bloco de Ipanema, se apresenta no projeto Samba no Horto, no Clube dos Macacos. Para quem ler este post muito em cima da hora, ainda há uma segunda chance de sambar ao som dos caras amanhã, no Teatro Odisséia, na Lapa, a partir das 21h.
Teatro Odisséia
Rua Mem de Sá 66, Lapa — 2224.6367. Sáb, às 21h. Empolga às 9. R$ 28. Não recomendado para menores de 18 anos.
Clube dos Macacos
Pacheco Leão 2.038, Jardim Botânico — 2539-8215. Sex, às 22h. Empolga às 9. Sex, às 22h. R$ 50. Não recomendado para menores de 18 anos.

Imprensa Que Eu Gamo – Os coleguinhas jornalistas do Imprensa que Eu Gamo, bloco que todo ano abre oficialmente o carnaval carioca, comemoram seus 15 anos com um baile regado a feijoada no domingo, às 14h, no bar Balneário da Lapa.
Balneário da Lapa
Av. Mem de Sá 63, Lapa — 2222-0328. Dom, às 14h. Baile/ feijoada do Imprensa Que Eu Gamo. R$ 20. Livre.

Nó Molhado – O pessoal da Zona Norte da cidade não foi esquecido e, na Tijuca, o grupo Nó Molhado faz uma apresentação no botequim Vaca Brava, com participação do pessoal do bloco Se Me Der, Eu Como.
Balneário da Lapa
Av. Mem de Sá 63, Lapa — 2222-0328. Dom, às 14h. Baile/ feijoada do Imprensa Que Eu Gamo. R$ 20. Livre.

Ensaios técnicos – Para o pessoal que gosta de ver um bom samba no pé, a boa é o Sambódromo, para ver os ensaios técnicos das escolas de samba. Domingão é dia de Império Serrano, às 19h; Mocidade, às 20h; e Vila Isabel, às 22h.
Sambódromo
Av.Marquês de Sapucaí, S/N, Centro – 3344-5500

Casa Rosa
Rua Alice 550, Laranjeiras —  2557-2562. Sex, às 23h. Orquestra Popular Céu na Terra e DJ Zédoroque (MPB). Mulher: R$ 15. Homem: R$ 30. Não recomendado para menores de 18 anos.

Rio de Janeiro, a Cidade Maravilhosa, portal de entrada da maioria dos turistas que chega ao Brasil. Conhecida por suas praias, carnaval e belezas naturais, a cidade tem muito mais a oferecer. Bons restaurantes, belíssimas igrejas, museus, boates…

Como um local da cidade, provavelmente darei dicas que não constam nos guias de viagem, mas deixarei de fora alguns lugares mais voltados para os turistas… Este post também estará em constante atualização, conforme for conhecendo novos lugares ou lembrando de outros que valem a pena uma visita.

Cristo Redentor

Para começar, resista à idéia de hospedar-se na Barra da Tijuca. Para aproveitar todos os encantos da cidade, a Zona Sul é o lugar. Espremida entre o mar e a montanha, é lá que você vai encontrar as melhores praias, boites, lojas, parques e albergues, além de ficar próximo ao metrô e às linhas de ônibus para toda a cidade.

Algumas dicas deste post virâo na forma de pequenos roteiros, outras divididas por região, ou ainda por tipo… espero não confundir vocês.

Vamos começar pelos passeior à beira-mar.

Confeitaria ColomboPara começar o seu dia, tome um café reforçado na Confeitaria Colombo do Forte de Copacabana (Pça. Coronel Eugênio Franco, 1). A confeitaria é uma das mais tradicionais da cidade e fica localizada dentro de um forte centenário, de onde se pode ver toda a praia de Copacabana. O ingresso custa R$3,00. Peça um café continental ou waffles com mel e aprecie a vista. Aproveite para conhecer o museu instalado no local e acompanhar a vida dos soldados.

Com a barriga cheia, faça a sua digestão caminhando pela orla de copacabana em direção ao Leme, onde você poderá pegar um sol e dar um mergulho longe da muvuca que geralmente se instala nos outros pontos da Princesinha do Mar. Se quiser parecer um local, alugue uma cadeira, um guarda-sol, compre um biscoito Globo (de polvilho, com opção de salgado ou doce) e um mate com limão (não aqueles industrializados, mas sim dos ambulantes, tirado diretamente do tonel)… relaxe e aproveite.

Quiosque em CopaApós algumas horas de sol, você pode tomar um banho em um dos muitos quiosques da praia. Por apenas R$1,00 você tem acesso a um banheiro limpo, com ducha quente e lugar para trocar de roupa.

Se a fome já estiver batendo de novo, você pode comer nos próprios quiosques. Reformados recentemente para os jogos Pan-Americanos, eles se transformaram em verdadeiros restaurantes à beira-mar. Lá você encontrará de McDonalds e Bob´s a restaurantes finos e famosos do Rio. Mas se você estiver procurando algo mais chique (ou um bom ar-condicionado) aqui vão algumas opções…

CopacabanaÁrabe –

Amir – peça um combinado árabe, com um pouquinho de cada coisa. Se você gosta de uma fumaça, peça um narguile e aprecie um dos diversos sabores de fumo oferecidos pela casa.

(Rua Ronald de Carvalho, 55, loja C)

Baghdah – com música árabe e dançarinas do ventre, o restaurante oferece um cardápio variado, com receitas de países como Marrocos, Iraque, Egito e Libano.

(Rua Bolivar, 45, Loja C)

Italiano –

Cipriani – o restaurante já convence pela localização: à beira da psicina do famoso hotel Copacabana Palace. Prepare-se para um cardápio elaborado, com receitas do cheff venesiano Francesco Carli.

(Av.Atlântica, 1702 – tel: 2545-8747)

La Fiorentina – ponto de encontro de artistas e intelectuais, que inspiram os nomes dos pratos da casa e fazem parte da decoração do local, com autógrafos deixados na parede.

(Av.Atlântica, 458 A, Leme – tel:2543-8395)

Outros sabores –

calçadão CopacabanaCopa Café – ao som de Jazz e bossa nova lounge e com vista para o mar, a pedida aqui são os hambúrgueres. Peça um de cordeiro com maionese de hortelã e saboreie um dos elaborados drinks da casa.

(Av.Atlântica, 3.056, loja B – tel: 2235-2947)

Ok, então o seu negócio é tomar um chopp, comer um bolinho de bacalhau e jogar conversa fora, então siga para um dos muitos “botecos chiques” do bairro.

Arataca – com 47 anos de história, o boteco serve comidas do Norte. Que tal experimentar uma casquinha de sururu e bolinho de pirarucu, bebericando uma batida de cupuaçu ou taperebá?

(Rua Domingos Ferreira, 41, loja B. Tel: 2548-6624)

Bip Bip – rodinhas de samba e chorinho animam este pequeno boteco, de onde também sai um dos mais animados blocos de carnaval do bairro.

(Rua Almirante Gonçalves, 50-D. Tel: 2267-9696)

Toca do Siri – dos mesmos donos do famoso restaurante Siri Mole, aqui você vai encontrar uma comidinha bahiana de qualidade. A sugestão é cair dentro de um acarajé, acompanhado de batida de pitanga.

(Rua Raul Pompéia, 6. tel: 2267-0849)

Não vou falar aqui das franquias que se espalharam pela cidade, como Belmonte, Manuel e Joaquim, São Nunca, Devassa, Espelunca Chique e as acadêmias (do chopp, da cachaça e etc.). São bons, ficam cheios, oferecem boa comida e estão por toda parte. Se você vir um, pode entrar que vale a pena.

Pao de acucar

Muito bem, você já tirou o mofo na praia, deu uma caminhada, comeu e bebeu… então é hora de conhecer um ponto turístico. Siga para a Urca, onde você vai encontrar os bondinhos do Pão de Açucar, em um bairro que mais parece de cidade do interior. Antes de subir, dê uma caminhada pela pista Cláudio Coutinho, no canto esquerdo da praia bem em frente a estação do bondinho. A vista é linda, e foi lá que eu tirei a foto ao lado. Além de ser um excelente passeio, serve para você gastar um tempo e esperar o fim da tarde para subir o Pão de açucar. Nada como apreciar o pôr do sol em um lugar de onde pode se ver todo o Rio de Janeiro. Ao descer, siga novamente para a Praia Vermelha. No canto direito, oposto ao da pista Cláudio Coutinho, fica o Praia Vermelha Bar, com uma belíssima vista para o mar, shows de MPB e deliciosas pizzas.
(Pça.General Tibúrcio, S/N. Tel: 2275-7292)

Pão de açucar

Vocês pensam que acabou??? Nada disso. Vá para o seu albergue, dê uma descansada e junte um grupo animado, pois a noite está só começando…

Antes de decidir onde vai ser a noitada, você tem que fazer algumas perguntas filosóficas para o seu “eu interior”: quem sou eu? Qual o meu estilo? A que tribo eu pertenço? (se você não quiser perder tempo pensando nisso em plenas férias, procure um psicanalista antes de viajar). Então, já se decidiu? Pois a noite do Rio oferece opções para todos os estilos e gostos, dos neohippies aos clubbers, passando pelos mauricinhos e patricinhas, gays, lésbicas e simpatizantes, sambistas, forrozeiros, roqueiros e alcóolatras de final de semana.

vista dos arcos da LapaSe ainda não tiver decidido, vá para a Lapa. Diversas opções em um só lugar…

Para quem quer curtir um bom show, dê uma olhada na agenda do Circo Voador, local onde muita gente boa da nossa música começou, e que abriga shows dos mais variádos estílos, do Funk do DJ Marlboro ao samba da Orquesta Imperial (às vezes, os dois na mesma noite).

(Arcos da Lapa, S/N. Tel: 2253-5873)

Bem ao lado do Circo, encontra-se a Fundição Progresso, sede de vários grupos culturais (como a Cia.de Dança Debora Colker) e que também recebe shows de diversos estilos, com muita gente famosa.
(Rua dos Arcos, 24. Tel: 2220-5070)

Noite na LapaPara ouvir um bom sambinha, vá para o Rio Scenarium. O lugar tem uns três andares decorados com móveis antigos e fica lotado quase todos os dias. Gente bonita e música boa…
(Rua do Lavradio, 20. Tel: 3852-5516)

Ponto de encontro do pessoal que realmente gosta de dançar juntinho, o Clube Democráticos é o ponto de encontro da galera que não faria feio na Dança dos Famosos.(Rua do Riachuelo, 91. Tel: 2252-4611)

Outra opção é o Estrela da Lapa, que não fica só na música brasileira e recebe também bandas de rock.
(Av.Mém de Sá, 69. Tel: 2507-6686)

E para fechar, tem o Teatro Odisséia, com uma agenda varida, da MPB ao rock.

(Av. Mem de Sá, 66. Tel: 2224-6367)

Noite sob os Arcos da LapaAhhh… quase esqueci. Tem o Carioca da Gema também. Samba, chorinho em uma das casas mais cariocas da Lapa.

(Av.Mem de Sá, 79. Tel: 2221-0043)

Mas a Lapa não é só isso. Mesmo que você esteja sem dinheiro, a diversão é garantida. As ruas ficam lotadas com uma fauna que inclui gringos, locais, prostituas, travestis, gente bonita e feia, rica e pobre, todos dividindo esse espaço democrático em busca de diversão.

Para terminar a noite, coma uma saborosa e gordurosa pizza na Pizzaria Guanabara e siga para o albergue com o sol nascendo para um merecido descanso.
(Av.Mem de Sá, 17. Tel: 2224-9358)

Outra opção para o lanchinho de fim de noite é o famoso Cervantes de Copacabana, com seus sanduiches de filé com queijo e abacaxi. O boteco fica ao lado da Prado Júnior, rua dos inferninhos com shows de strip-tease e prostitutas e travestis fazendo seu trabalho.
(R. Barata Ribeiro, 7. Tel: (21) 2275-6147)

Ok, você quer uma boite, com música comercial e mulheres e homens bonitos, cheirosos e bem arrumados. Então fique na Zona Sul mesmo e curta algumas dessas dicas:

Baronetti – Mauricinhos e patricinhas dançando em cima do sofá ao som de hip-hop e funk. Muita gente bonita, bêbada e disponível. Prepare-se para gastar um bom dinheiro.
(Rua Barão da Torre, 354 – Ipanema. Tel: 2247-9100)

00 (Zero Zero) – quinta é dia de música eletrônica, com o DJ Markinhos Meskita e seus convidados, que podem ser DJs da cena carioca (como euzinho aqui) ou internacionais. Nos outros dias, soul, shows e muito mais. O restaurante do local tem um bom cardápio, então vale a pena chegar cedo.

(Av.Padre Leonel Franca, 240 – Gávea. Tel: 2540-8042)

Nuth Lounge – para conhecer a galera da Barra da Tijuca, a Miami Brasileira, este é o local. Rock, hip-hop, música eletrônica, em uma casa com móveis de madeira, rodeada de árvores e com uma mesa de sinuca no segundo andar. Prepare-se para longas filas e a possibilidade de não conseguir entrar.
(Av.Armando Lombardi, 583 – Barra. Tel: 2491-8587)

Se você não conseguir entrar na Nuth, a sua viagem não está perdida. A Av.Armando Lombardi é o point do bairro, e é só caminhar por ali que você encontrar muitas outras opções.

Pista 3 – Rock, soul e festas de música eletrônica em uma casa de dois andares que também conta com uma sinuca no segundo andar.
(Rua São João Batista, 14 – Botafogo. Tel: 2266-1014)

Casa da Matriz – dos mesmos donos do Pista 3, a casa tem duas pistas de dança, salão de jogos, local para exposições, entre outras coisas, tudo dividido em um labirinto de corredores e quartos. Como a sua casa irmã, tem shows de rock, DJs de música eletrônica, hip-hop, soul, etc.

(Rua Henrique de Novaes, 107 – Botafogo. Tel: 2266-1014)

Dama de Ferro – Uma caixa de cimento ornada com muito ferro. Aqui héteros e gays convivem pacificamente ao som de DJs cariocas e internacionais de vários estilos de música eletrônica.

(Rua Vinicius de Moraes, 288 – Ipanema. Tel.: 2247-2330)

69 – Recém-inaugurado club de música eletrônica em Ipanema.

(Rua Farme de Amoedo, 87)

Fosfobox – a famosa caixinha de fósforo de Copacabana também reúne diferentes público, dos rockeiros aos clubers.
(Rua Siqueira Campos, 143, lj.22-A. Tel.: 2523-8250)

pizzaria guanabaraSe você optou por uma boite na Zona Sul, então o seu lanchinho de fim de noite será obrigatoriamente na Pizzaria Guanabara do Leblon, ponto de encontro dos notívagos, freqüentado por artistas e lotado até o sol raiar.
(Av.Ataulfo de Paiva, 1.228. Tel: 2294-0797)

Bem em frente à Guanabara fica o BB Lanches, uma das casas de suco mais famosas da Zona Sul. Peça um açai, saboreie um dos muitos e variados sanduíches da casa e boa noite.
(Av. Aristides Espínola, 64. Tel: (21) 3229-1397)

O dia seguinte de uma noitada pode ser devastador para o organismo. Mesmo assim, resista à idéia de ficar no albergue curtindo uma ressaca. Tome um banho gelado, junte um pessoal e prepare-se para mais um dia entre as belezas naturais do Rio de Janeiro.

Lagoa Rodrigo de FreitasComece curando a ressaca com uma água de côco à beira da Lagoa Rodrigo de Freitas. Para tirar o álcool do organismo, alugue um pedalinho e vá para o meio da lagoa. Descanse as pernas ficando á deriva por uns minutinhos, enquanto tira milhares de fotos de uma paisagem belíssima, cercada pelas montanhas da floresta da Tijuca e abençoada pelo Cristo Redentor.

Depois deste passeio, uma caminhada até o Jardim Botânico, criado por D.João VI quando trouxe a corte para o Brasil. Lar de diversas espécies de plantas e árvores raras, este é um excelente local para se fazer um piquenique. Logo ao lado fica o Parque Lage, com suas grutas e trilhas, e que abriga uma escola de artes em um casarão que já serviu de cenário para um clipe do Snoop Dogg.

Hora de almoçar e tomar aquele choppinho gelado. Desça a Rua Jardim Botânico em direção à Gávea, mais precisamente ao Baixo Gávea, ponto de encontro do pessoal descolado da Zona Sul e que está sempre cheio. Escolha uma mesinha na calçada do restaurante Braseiro ou na varanda do Hipódromo (Pça.Santos Dumont, 108. Tel: 2274-9720) e aprecie o movimento… quem sabe você não estará sentado ao lado de um dos muitos artistas que freqüentam o local.

JobiOutra opção para o choppinho de fim de tarde é o Jobi, no Leblon, com seus 50 anos de tradição e bolinhos de bacalhau e carne seca desfiada de dar água na boca.

(Av.Ataulfo de Paiva, 1.166, loja B. Tel: 2274-0547)

Se em vez de curtir um clima carioca você preferir jogar uma sinuca com a gringalhada, exercitando aquele seu inglês meio enferrujado, então o seu lugar é o Schnanigans. Peça um pint de Guiness (copão de 576ml da famosa cerveja escura inglesa) e uma porção de onion rings para acompanhar, coloque o seu nome no quadro da mesa de sinuca e aguarde a sua vez.
(Rua Visconde de Pirajá, 112 A. Tel2267-5860)

Pronto, lá vem a noite mais uma vez e é hora de decidir para onde ir.

O Rio é considerado a capital gay do país, então, se esta é a sua tribo, prepare-se para a jogação. Para a galera GLS, as melhores opções são as boites de música eletrônica, como Dama de Ferro, Fosfobox e 00 (quintas-feiras), sobre as quais já falei. Outra opção são as boites irmãs Le Boy , La Girl e o Boy Bar, um do ladinho do outro.

(Rua Raul Pompéia, 102 – Copacabana. Tels.: 2513-4993, Le Boy; 2247-8342, La Girl)

Mas para bombar mesmo com a galera do arco-iris, siga para o centro da cidade, mais precisamente para a boite The Week. São 3 mil metros quadrados, com go go boys dançando ao som de house tribal.
(Rua Sacadura Cabral, 150 – Centro. Tel.: 2253-1020)

Farme de AmoedoOutro ponto de encontro GLS é a rua Farme de Amoedo, em Ipanema. Na praia, bem em frente a essa rua, o pessoal curte um sol, preparando o bronzeado para bombar na noite. O lugar é fácil de achar, basta procurar uma barraca de praia com uma bandeira de arco-iris. Subindo a rua em direção a Lagoa estão diversos bares onde o pessoal beberica, joga conversa fora e faz novos amigos. Um deles é o bar Bofetada, com mesinhas na rua e excelentes beliscos.

(Rua Farme de Amoedo, 87, loja A. Tel.: 2227-1675)

Falando em praia, a de Ipanema é a que reúne o pessoal mais bonito, cada um em sua área. Logo ao lado do point GLS, em frente a Rua Joana Angélica, fica a galera jovem, malhada, bronzeada e animada. È alí também que ficava o pier de Ipanema, famoso na década de 70, freqüentado pela galera da paz e amor. Mudou o público, mas não os hábitos dos freqüentadores de acender um baseado como se estivesse na Jamaica. Se você é da turma da fumaça, cuidado. Os PMs dão incertas ali constantemente. Se você ouvir uma galera assoviando, pode ter certeza que tem um alí por perto, pronto para dar o bote.

Ipanema

Outro local bem freqüentado da praia é o Posto Dez, em frente a Rua Maria Quitéria, com um público um pouco mais velho, mas não menos bonito. Se o seu propósito é surfar, então siga para a Prainha, que fica em uma reserva florestal depois da Praia da Barra da Tijuca. È longe, mas vale a pena. Na Barra fica também o famoso quiosque do Pepe. Lá o público é formado pelo pessoal bombado do jiu-jitsu, as mulheres bombadas das academias e diversos praticantes de windsurf e kiteboard.

Bom, falei de praias, bares, restaurantes e noite… falta falar de alguns pontos turisticos famosos da cidade.

Estação do BondinhoSanta Tereza – o bairro fica em um morro onde se chega em um bondinho que passa por cima dos Arcos da Lapa. Os carros do bondinho são do século XIX, assim como boa parte das casas do bairro. Um passeio que remete ao passado da cidade. Vá para a estação na Rua Lélio Gama, Centro, e embarque neste tunel do tempo. Chegando lá em cima, é só caminhar para encontrar diversos restaurantes, bares, lojas de artezanato e centros culturais.

Entre estes estabelecimentos estão o Armazém São Thiago 9 (Rua Áurea, 26. Tel.: 2232-0822), com cerveja de garrafa e bolinhos de bacalhau; os alemães Adega do Pimenta (Rua Almirante Alexandrino, 296. Tel: 2224-7554) e Mike´s Haus (Rua Almirante Alexandrino, 1.458, loja A. Tel: 2509-5248); e o Bar do Arnaldo (Rua Almirante Alexandrino, 316, loja B. Tel: 2252-7246)

Escadaria SelaronAlí também você encontra a escadaria Selarón, totalmente decorada por azuleijos coloridos pelo artista chileno que dá nome ao local. Excelente local para fotos.

Bom, nem preciso falar o que o Cristo Redentor, com seus braços abertos sobre a Guanabara, representa para o Rio de Janeiro. Ele foi escolhido uma das sete maravilhas do mundo moderno e pode ser visto por diversos ângulos de diversas partes da cidade, abençoando os cariocas e seus visitantes. Você pode subir de carro, aproveitando para fazer uma caminhada nas Paineiras e uma visita ao mirante Dona Marta, ou pagar a cara passagem do bondinho que sobe o morro do Corcovado.
(Estação do Bondinho – Rua Cosme Velho, 513.Tel.: 2558-1329) www.corcovado.com.br

MaracaOutro simbolo carioca é o estádio do Maracanã, palco de grandes clássicos e que receberá a final da Copa do Mundo de 2014. O ideal é visitá-lo em dia de jogo (principalmente se for o meu Mengão que estiver jogando), mas você também pode ir lá em um dia normal, conhecer o Museu do Futebol, os vestiários e tirar fotos à beira do gramado.

(Rua Professor Henrique Rabelo, s/n. Tel: 2299-2941)

Já falei em um outro post sobre os museus e as igrejas da cidade, que são pouco valorizados ante a beleza natural da cidade, mas que valem uma visita.

Se você quiser conhecer o fundo do mar carioca, veja também o meu post “As Profundesas do Rio de Janeiro“.

Para saber onde se hospedar na cidade, siga para a minha lista de albergues do Rio de Janeiro, a mais completa – e desorganizada – da internet.

E esperem o próximo post, onde darei dicas de passeios pagos pela cidade, de barco, navio, jeep, helicóptero e asa-delta.