Como, infelizmente, ainda não tive a oportunidade de passar o réveillon em Florianópolis, mandei emails para meus fiéis leitores do Sem Destino perguntando como foi a festa por lá. A minha grata surpresa veio no email do amigo André Varanda, que deu uma de correspondente de guerra e me mandou um texto completo que vocês conferem a seguir:

“Pode-se dizer que o reveillon de Florianópolis é dividido em duas partes – a primeira, famílias e pessoas mais velhas que vão até a Avenida Beira-mar curtir a queima de fogos na ponte Hercílio Luz e a segunda parte de jovens e pessoas que estão procurando agitação, que se dirigem a praia de Jurerê Internacional.

Ao contrário das expectativas Jurerê não estava completamente parada e com transito caótico. Era possível trafegar em 15 ou 20 minutos desde a saída na estrada até encontrar um lugar para parar o carro. Claro, as ruas estavam tomadas por pessoas e carros, o que fazia as vagas mais próximas à praia estarem esgotadas. O ponto positivo é que em qualquer lugar que se fosse parar o carro, nenhum flanelinha (guardador de carros) era encontrado.

Já na areia a praia estava completamente lotada, em uma rápida caminhada desde o Parador 12 (P12) até o club Taikô, foi possível constatar este fato. Pessoas com tendas de camping ocupavam os espaços mais privilegiados da praia, restando aos “foliões” que estavam “a pé”, as partes mais próximas ao mar.

Com certeza em toda a extensão de 2 km da praia o club Taikô comandava de longe a festa. As pessoas se aglomeravam em volta ao club que retribuía com um grande som eletrônico animando o pessoal. Dentro do club era possível ver muitas pessoas famosas. A bagatela para curtir o club Taikô naquela hora era de R$1.200. ´

O Parador 12 por sua vez, até meados de meia noite coloca um som mais baixo, quase inaudível  as pessoas da praia. Não ficando muito atrás o Parador colocava o preço na porta de R$1.000 para quem quisesse adentrar o club naquele momento.

A queima de fogos em Jurerê Internacional, fica por conta de alguns grupos de pessoas, não existe uma queima oficial, então cabe aos mais empolgados fazerem suas próprias baterias de fogos.

Por volta da 01:00 da manhã, as pessoas começam a evacuar o local e dirigir-se a suas próprias festas (Reveillon Boutique, Shine, Pacha, El Divino, etc.). A festa que compareci foi a Pacha.

Sem muito transito e maiores problemas para chegar ao local, foi constatado que o estacionamento estava parcialmente alagado, devido às chuvas daquela tarde. Fazendo com que em medida de emergência, novas vagas de carros fossem abertas, o que causou um pouco de confusão para se parar o carro.

A festa em si, nada a reclamar, open bar de respeito como prometido. O mais surpreendente foi à eficiência no bar, fazendo com que as pessoas não ficassem nem cinco minutos para pegar suas bebidas. Ao contrario por exemplo do P12, alguns dias antes, que sofria com os bares lotados e com poucos funcionários no atendimento.

Muita gente bonita, um som que apesar de não contar com nenhum DJ renomado, não deixou a desejar ao que por exemplo tocava no Taikô horas antes. Enfim, dinheiro bem gasto.

Após a saída do club Pacha por volta das 06:30 da manhã, resolvemos ver qual era o estado da praia em Jurerê Internacional. Encontramos o Taikô e P12 fechados, ao contrario do Café de La Musique que ainda estava em tempos de fim de festa. A praia estava suja, mas dentro das expectativas. Um batalhão de limpeza fez seu trabalho em pouco tempo, deixando em poucas horas a praia praticamente limpa novamente.

Em resumo pode-se dizer que o Reveillon de Florianópolis agrada gregos, troianos, romanos, turcos, etc. Aos que gostam de agitação, opções ao longo de toda a Ilha não faltam, seja esta dentro de um club ou com os pés na areia. Já para aqueles que gostavam de ficar mais tranqüilos, o centro oferece boas opções, com bares e restaurantes funcionando. Alem é claro da tradicional queima de fogos”.

Anúncios

Infelizmente este post ficou um pouco em cima da hora para aqueles que gostam de se programar com antecedência para o réveillon. Mas isso não é culpa minha, e sim dos organizadores das festas, que gostam de divulgar tudo em cima da hora. Muitos dos eventos para o público GLS ou eletrônico já estão em outros posts, mas vou reunir tudo neste aqui, lincando para as outras páginas quando for o caso. Ainda estou correndo atrás de outras festas, mas vou logo publicando o post para quem já está impaciente.

The Week – vamos começar com uma dos maiores clubs do Brasil, que preparou festas no Rio e em São Paulo.

Rio de Janeiro – Para quem quer começar a curtir cedo, curando a ressaca do Natal, dia 26/27 tem a Cosmopolitan, com o meu grande amigo Fábio Flyer na pista Docs e os DJs Filipe Guerra, Isaac Escalante, Jeff Vale e Gustavo Júnior na pista Cosmo.  No dia 30, esquentando os tambores para a virada, tem a Noite Preta, com show de Preta Gil. Quem abre a noite é a DJ Helen Sanchon, e após o show tem DJ Zé Pedro, com a dupla de DJs Dri Toscano e Diego Valente fechando a festa. Na noite do réveillon, é hora de tirar aquela roupa branca estalando de nova do armário para curtir a Nuit Blanche ao som dos DJs Gustavo Júnior, Chris Cox e Renato Cecim, na Pista Cosmo, e João Neto, Jeff Valle e Filipe Guerra, na Pista Docas.
Rua Sacadura Cabral, 154 – Saúde
(21) 2253-1020

São Paulo – Na Terra da Garoa, a diversão também começa no dia seguinte ao Natal com a festa Babylon. Na pista I, Paulo Pacheco, Renato Cecin e João Neto comandam o som, na Pista II, Kiron, Grá Ferreira, Marcelo Charbel e Herbert Tonn. Na noite da virada, a Nuit Blanche ataca de Isaac Escalante, Morais e Paulo Pacheco na Pista I e Vlad, Kiron e Grá Ferreira na Pista II.

E-Joy – Do Sudeste rumamos direto para o Sul, onde, em Florianópolis, a E-Joy promove três festas para a virada do ano. O pré-réveillon E-Joy, no dia 30, rola na Mansão Alameda Casa Rosa, e traz no Line Up Felipe Accioly, Rodolfo Bravat, Douglas Penido e Ale Bittencourt. No dia da virada, a E-Joy International Celebration começa às 22h no Lagoa Iate Clube, com os DJs Ale Vidal, Rodolfo Bravat e Douglas Penido, além da atração internacional Escape (USA). Tem ainda show com Lorena Simpson e bailarinos. Uma folguinha para curar a ressaca e, no dia 02, rola a E-Joy Paradise Island, no mesmo Lagoa Iate Clube. No line up, os DJs Chin, o colombiano Fist e Bruno Pacheco. Clique aqui para conferir os endereços e postos de venda.

Santa Catarina, aliás, é o melhor lugar para quem gosta de ouvir bons DJs. Clique aqui para ler o post sobre o réveillon por lá, com apresentações de Miguel Migs, Pete Tha Zouk, Tim Healey, Trentemoller…

Rio de Janeiro –

Viradão no Dama Essa apareceu no meu email no dia 30… vai rolar um after réveillon no Dama de Ferro, começando às 3h da matina e se estendendo até às 11h. Quem toca por lá é o meu amigo e sócio André Araújo, seguido de Gustavo Tatá e Renato Weiss. O Dama fica na rua Vinícius de Morais, quase esquina com a Lagoa Rodrigo de Freitas.

R:evolution + Pool Party (com informações do site Cena Carioca, do amigo André Garça) – “Rosane Amaral fará suas duas tradicionais festas nessa temporada. A primeira, R:EVOLUTION, rola logo mais no reformadíssimo Armazem 2, no Cais do Porto. A produtora volta a apostar num mexicano não muito conhecido, mas que agradou na última edição: Sergio Garcia será o headliner desta noite. No dia 1º de janeiro, a POOL PARTY rola no Clube Internacional de Regatas, com uma maravilhosa vista do Pào de Açucar. A grande atraçao da festa é a americana Twisted Dee, DJ querida dos brasileiros. A Pool Party começa as 16h… e como sempre, sabe-se lá que horas vai acabar”

Búzios – o balneário descoberto por Brigitte Bardot também é um bom lugar para se ouvir o bom e velho bate-estaca. A principal atração por lá é o paulista Gui Borato, mas tem também D-Nox e Beckers e DJs da cena carioca como Marcelinho Cic, Leo Janeiro, Marian Flow e Zeo. Clique aqui para ler o post com todas as festas de Búzios.

BahiaUniverso Paralelo – São sete dias de eletrônico na mente em um dos maiores festivais do Brasil.  A festa na Praia de Pratigi, na Bahia, começa no dia 28/12, às 8h, e segue initerruptamente até às 10h do dia 04/01. A estrutura reúne um grande camping, com chuveiros e sanitários. Há feiras, bares, lojas, internet na praia e tudo o que você precisa para viver intensamente sem perder o conforto. O valor do ingresso na portaria do festival está em R$ 380.

Maresias-SP – o mega-club Sirena este ano não trouxe nenhum nome de peso para sua festa, apostando no bom e velho Carlo Dall´anese (que ninguém deve aguentar mais).  As festas rolam no dia 26, 28, 29, 31 e 02, sempre com o Dall´anese (tem dias que ele toca nas duas pistas) e Ricardo Menga. Em alguns dias ainda tem uns convidados, mas todos desconhecidos (pelo menos para mim). Mas só pelo local e pelo público, o Sirena já vale a pena.

Prometo colocar outros eventos aqui até o meio da semana…

Leia também os posts com as festas de réveillon em outros lugares:

Rio de Janeiro

Bahia

———————————————————————————

Assista a vídeos exclusivos na TV Sem Destino

Veja todas as fotos das minhas viagem pelo mundo no Flickr do Sem Destino

Se você veio parar nesse post direto de algum mecanismo de busca, clique aqui para ler as outras matérias na página incial do Sem Destino.

Para ler as notícias fresquinhas do Sem Destino, assine o RRS Feed do blog

Siga o Sem Destino no Twitter – clique aqui

O réveillon em Santa Catarina parece ser um dos melhores. Se não tivesse filho, trabalho, mulher e muitas contas para pagar, é para lá que eu ia. Diferentemente do Rio – onde predomina uma salada musical com baterias de escola de samba dividindo a pista com DJs de música eletrônica, e da Bahia, onde o negócio é o axé do afoxé, Filhos de Gandi – a virada em Floripa é recheada de excelentes DJs da cena eletrônica internacional. Então, sem mais delongas, vamos a elas:

Pré-réveillon Green Valley – Premiado como o melhor superclube de 2008 pelo Cool Awards, o Green Valley começa a sua programação no dia 26, com o inglês Paul Harris. No dia 28, nada menos do que o americano Miguel Migs, escolhido como a melhor atração no último Skol Beats. Seguindo a linha deep house, quem toca por lá no dia 30 é o também americano Erick Morillo.
Local: Green Valley – Rua Mamoré, 1083 – Rio Pequeno, Camboriú.

boutiqueRéveillon Boutique – A festa no hotel Boutique traz como atração principal o DJ americano Dennis Ferrer, considerado um dos melhores do mundo. No line up ainda tem Mário Fischetti, Paulinho Boghosian, The Beckers e outros. Uma das festas com mais gente bonita por metro quadrado do Brasil.
Local: Espaço Reveillon Boutique – Alameda César Nascimento, 500 – Praia de Jurerê – Florianópolis
Preço: R$460 feminino – R$805 masculino (open bar & buffet)
Clique aqui para comprar

greenRéveillon Green Valley Guest House –  Para a virada deste ano, as atrações serão os projetos Crossover e Hand’s. Quem também toca por lá é o DJ André Pulse.
Local: Praia Estaleiro Guest House Hotel – Av. Interpraias, 3987 (Praia do Estaleiro), 16 km
Preço: R$240 – feminino e R$ 420 – masculino (bico seco)
Clique para comprar

cabaretRéveillon Cabaret – Life Club – Gustavo Bravetti, Ferris, Miss Cady e Beto Dias são algumas das atrações neste espaçoso clube de 3.200 m2, com capacidade para mais de 10 mil pessoas.
Local: Life Club – Rodovia SC 401, 14037 – Jurerê Internacional – SC
Preço: R$100 – feminino e R$ 200 – masculino
Clique aqui para comprar.

paradeiroRéveillon Parador Estaleiro Hotel – Este belíssimo beach club bem em frente à praia do Estaleirinho terá como atrações os DJs Daniel Rosenmann, Maycon Schramm e o projeto Vácuo Live.
Localização: Parador Estaleiro Hotel – Rua Victorio Fornerolli, 454 – Praia do Estaleirinho, Balneário Camboriú – SC
Preços: R$ 200 – feminino e R$ 350 – masculino (open bar e buffet)
Clique aqui para comprar.

specialiRéveillon Speciali – O line up não tem nenhuma estrela internacional, mas os organizadores apostam na infraestrutura, montada especialmente para o evento, para atrair o público. No comando do som, os DJs Lucas Mussi e Caio Faria.
Local: Arena Speciali – Praia de Jurerê – Florianópolis – SC
Preços: R$ 190 – feminino e R$ 280 – masculino (open bar e buffet)
Clique aqui para comprar.

ShineShine Réveillon 2010 – Aqui quem manda são os DJs da agência 3 plus. Mary Zander, Leo Cury e Daniel Kuhnen dividem espaço com Elio Riso, Dudu Petrelli e Rafael Pigozzi.
Local: Restaurante Encanta – Av. dos Salmões, 1232 – Jurerê Internacional – SC
Preços: R$ 250 – feminino e R$ 500 – masculino (open bar e buffet)
Clique aqui para comprar.

Réveillon Taiko – Tendas, lounges e camarotes à beira-mar serão o charme desta festa, que terá no comando do som os DJs Edgar Fontes, Wladimir (Saint-Tropez) e Fernando Picón (Punta del Este).
Local: Jurerê Internacional
Preços: R$ 370 – feminino e R$ 700 – masculino (open bar e buffet)
Clique aqui para comprar.

Warung – o megasuperclube não fará festa no dia da virada este ano, mas terá grandes atrações a partir do dia 27, quando tocam D-nox e Beckers. No dia 29, é a vez do projeto Life is a Loop e, na ressaca da virada, no dia primeiro, Michael Meyer e Gui Borato.
Local: Av. José Medeiros Vieira, 350 – Praia Brava, Itajaí.

SC Music Festival – Para quem ainda tiver forças, no dia seguinte à virada o club Green Valey abrirá suas portas para um evento com 15 DJs espalhados por três pistas. Nomes como Pete Tha Zouk, Tim Healey, Trentemoller e a dupla David Amos & Julio Navas prometem curar qualquer ressaca de réveillon.
Preços: R$ 50 – feminino e R$ 80 – masculino.
Clique aqui para comprar.

Leia sobre mais festas de réveillon:
Rio de Janeiro

Búzios

Bahia

———————————————————————————

Assista aos vídeos da TV Sem Destino

Veja todas as fotos de viagem no Flickr do Sem Destino

Se você veio parar nesse post direto de algum mecanismo de busca, clique aqui para ler as outras matérias na página incial do Sem Destino.

Para ler as notícias fresquinhas do Sem Destino, assine o RRS Feed do blog

Siga o Sem Destino no Twitter – clique aqui

Após enfrentar uma das piores catástrofes desde sua fundação, Santa Catarina, como uma Fênix, parece ressurgir das cinzas, ou nesse caso, da água, lama e barro que tomou conta do estado nas últimas enchentes e ganha destaque internacional como ‘top party destination of the world’ do New York Times…

Praia de Piçarra, Blumenau e festa no Él Divino

Praia de Piçarra, Blumenau e festa no Él Divino

O reerguimento da infraestrutura de turismo é importante para o estado, principalmente neste momento. No verão, o dinheiro gasto pelos visitantes chega a movimentar de 6% a 7% do PIB. São quatro milhões de turistas que invadem o estado todos os anos nesta época, em busca de suas belas praias, cidades do interior com jeitão de exterior, e outras atrações, como o Beto Carreiro World.

El Divino / Parador 12

El Divino / Parador 12

Desses quatro milhões de pessoas que visitam Santa Catarina, 10% são gringos. Logo após as enchentes, os cancelamentos de reservas e pacotes chegou a 5%, mas logo houve uma retomada. Mesmo assim, a Embratur resolveu destinar R$ 1,2 milhão de verba para o estado investir em publicidade e atrair mais visitantes.

Em dezembro, jornalistas argentinos, chilenos e paraguaios foram convidados pela Embratur para ver in loco que o litoral está pronto para receber os turistas.

Guardei a melhor notícia para o final. Todo ano, o jornal New York Times aposta que algumas cidades serão os melhores destinos em diferentes quesitos. Florianópolis foi escolhida como ‘Party destination of the year’, ou seja, para quem quiser farra, Floripa é o lugar.

Porta do Café de la Musique

Porta do Café de la Musique

O texto do NYT é uma rasgação de seda só e coloca a cidade entre as top do mundo. ‘É uma mistura de St.Tropez e Ibiza, mas sem a pose e os preços altos’, diz na matéria o ex-modelo e dono das boites de Nova York Lotus e Double Seven, que há dois anos abriu na região o Praia Café de la Musique.

Vamos então a algumas das indicações do jornalão americano:

Café de La Musique – www.praiacafedelamusique.com.br

Él Divino / Parador 12 – http://www.eldivinobrasil.com.br/

Pachá – http://www.pachafloripa.com.br/

Confraria das Artes – http://www.confrariadasartes.com.br/

Senti falta do Warung, uma das maiores boites do Brasil, sempre recheada de atrações internacionais. Mas depois me dei conta de que ela fica em Itajaí… mas fica aí a dica.

Outra dica minha, o recém-inaugurado clube Posh

Clique e veja uma fotogaleria com todas as ‘top destinations of the world’ do NYT

Festa da House MAG no Parador 12 / El Divino… preciso ir a uma dessas

Roger Sanchez no Pachá

Pete da Zouk no Posh e no Café de la Musique (no meio tem ele em Búzios também)

Se você veio parar nesse post direto de algum mecanismo de busca, clique aqui para ler as outras matérias na página incial do Sem Destino.

Para ler as notícias fresquinhas do Sem Destino, assine o RRS Feed do blog

Siga o Sem Destino no Twitter – clique aqui

Procurando informações sobre a as festas da virada 2009/2010, então leia os posts:

Decida o seu réveillon – 2010, Rio de Janeiro

———————————————————————————

Ok…. eu menti para vocês. Falei que o post sobre o réveillon na Bahia seria o penúltimo e que encerraria a série falando das festas pelo Brasil. Mas achei tanta coisa legal rolando em Santa Catarina que decidi dedicar algumas linhas ao estado, que recentemente foi devastado pelas chuvas, mas que nem por isso desistiu de comemorar a chegada do novo ano.
Mas antes de você decidir qualquer coisa, dê uma olhada nos posts anteriores:

Decida o seu réveillon – Rio de Janeiro, 2009

Decida o seu réveillon – the GLS & eletronic edition

Decida o seu réveillon – Búzios, 2009

Decida o seu réveillon – Bahia e muito axé, 2009

Uma roda-gigante em Copacabana

Então vamos lá…

Warung –

Warung

Warung

O Warung é uma das maiores boites do Brasil e foi escolhida recentemente a terceira melhor do mundo pela DJ MAG. Para este ano, eles prepararam quatro festas seguidas com os melhores DJs que há por aí. No dia 26 o convidao especial é o 16Bit Lolitas, com seu house dançante. No dia 28, D-Nox & Beckers comandam a festa no melhor estilo eletro trance progressivo (ou algo do gênero). Para a virada, Hernan Cattaneo, considerado um dos top 10 DJs pela DJ MAG, é o convidado especial. Para fechar, a dupla de techno Richie Hawtin. Os preços ficam em R$ 80 para mulheres e R$ 200 para homens no dia da virada, sem open bar.

Réveillon da Ilha –

No Lagoa Iate Clube, na Ilha da Conceição, rola uma certa mistura musical, com uma tenda para DJs de hip-hop, eletro e funk, e outra para bandas de forró, sertanejo, pagode e sei lá mais o quê. O preço começa em R$ 120 para mulheres e R$ 160 para homens e vai subindo.

Praia Brava –

Para o revéillon da Praia Brava as atrações ainda não foram divulgadas, mas o esquema é open bar e free food, que não é tão free assim, já que você paga R$ 150 se for mulher e R$ 300 se for homem.

Kiwi Bar –

O Kiwi Bar contratou o DJ de mimal techno paulista Gui Borato para comandar a festa. O esquema lá é comida e bebida liberada a noite inteira, com preços em R$ 300 e R$ 500.

Jurerê Internacional

Jurerê Internacional

O El Divino dividiu sua festa em duas: uma na boite que eles tem na praia de Jurerê Internacional (o bairro dos bacanas de Floripa) e outra no lounge no centro da cidade. As atrações musicais não foram divulgadas e os preços para a festa da praia também não. Para o lounge o valor vai de R$ 80 até exorbitantes R$ 800.

Vocês acham que acabou? Não. Ainda tem mais duas festas. Uma rola no bairro das mansões Jurerê Internacional com DJs de música eletrônica, com preços de R$ 400 para mulheres e R$ 600 para homens. Na outra, na praia da Barra da Lagoa. O valor aqui é mais em conta: R$ 120 o feminino e R$ 170 o masculino.

E é isso… agora sim vai acabar. No próximo post da série, as festas pelo Brasil.

Atenção: as dicas deste post são da virada 2007/2008.

Procurando informações sobre a as festas da virada 2009/2010, então leia os posts:

Decida o seu réveillon – 2010, Rio de Janeiro

———————————————————————————————

Continuando a série sobre o Reveillon, vamos dar uma espiadinha no que está rolando no resto do Brasil…

warung-01.jpgPara quem vai curtir as praias de Santa Catarina, uma opção é a festa do Warung, uma das maiores boates do Brasil, com capacidade para 3.500 pessoas. Neste fim de ano a dupla de DJs alemães do 16bit Lolitas é a atração principal. O valor está em R$200 masc. e R$70 fem, mas, diferentemente das festas listadas no post anterior, nesta a bebida e comida não são liberadas.

taiko.jpgTambém em SC, a Taikô aposta no DJ americano Lee Cabrera e em um open bar regado a champagne Veuve Cliqcuot, whiskey Johnny Walker, vodka Absolut, cerveja Stella Artois e Red Bull para desbancar a rival Warung. Mas quando vemos o preço dos ingressos, acho que o Warung vai acabar se saindo melhor. O Masculino sai pela bagatela de R$1.300 e o feminino R$650.

sirena-01.jpgOutra das principais casas do Brasil no quesito “boate muito grande à beira-mar” é o Sirena, em Maresias, que para o reveillon não trouxe nenhuma grande atração e aposta no DJ de anos da casa, Carlos Dall´anese, para animar o pessoal. Mesmo assim vale a pena. Gente bonita, lugar maneiro e festa animada. Só o preço que assusta, R$240 masc. e R$120 fem.

 

up-04.jpgAinda para os que gostam de música eletrônica, o festival Universo Paralelo, na praia de Pratigi, na Bahia, é uma boa opção. A festa começa no dia 28/12 e só acaba no dia 03/01, ou seja, uma semana inteira de som rolando ininterruptamente. São DJs brasileiros, sulamericanos, europeus e até australianos tocando em uma praia paradisíaca. Os ingressos estão em R$290, e há diversas opções de excursões, hospedagens e vôos baratos no site do festival.

 

up-festival.jpg

 

Em Guarapari também tem eletrônico na praia, mais precisamente no Pedreira Adventure Park, em uma evento dedicado exclusivamente ao psy-trance. São 12 horas de festa, com previsão de 4 mil pessoas. Os preços variam de R$75 pista a R$180 camarote. (27) 33612163

pedreira-01.jpg

 

ivete-sangalo.jpgAgora, se o seu negócio é música bahiana, uma das opções é Caldas Novas (GO), onde, a partir do dia 28, bandas como Chiclete com Banana, Cheiro de Amor, Banda Eva e Babado Novo se apresentam. O ingresso custa R$120 fem. e R$160 masc. por dia de evento.

No famoso Parracho, em Arraial d´Ajuda, a festa começa no dia 27. Lá, a virada fica por conta do Asa de Águia, que também se apresenta no dia 29. Nos outros dias tem Ivete Sangalo e Babado Novo.

Agora, se você quer ficar tranqüilinho em um hotel, com todas as mordomias, siga este link e veja as opções. São hotéis e resorts do norte ao sul do país.

E se algum mecanismo de busca te mandou direto para este post, não deixe de ler as minhas dicas sobre o reveillon do Rio de Janeiro no em Decida o Seu Reveillon: Rio de Janeiro.

Pedro Serra

Como falei sobre o Movimento Slow Food no meu post anterior, achei que seria legal explicar o que realmente é isso. O movimento não significa uma certa bahianidade no ato de servir (que os bahianos me desculpem o estereótipo, mas não fui eu que criei. Não posso fazer nada), mas é uma resposta aos fast foods da vida, com suas comidas industrializadas, gordurosas e que mudaram os hábitos alimentares das pessoas, levando-as a não mais ter o hábito de sentar-se a mesa e apreciar o ato de comer.

 

A filosofia do Slow Food é a de que todos têm o direito de comer bem, e a responsabilidade de defender a herança culinária, as tradições e culturas que tornam possível esse prazer. A intenção é devolver ao alimento a sua dignidade cultural, e para isso a ecogastronomia é a chave. Os adeptos do movimento defendem um novo modelo de agricultura e o uso sustentável da biodiversidade, utilizando produtos artesanais de qualidade especial, produzidos de forma que respeite tanto o meio ambiente quanto as pessoas responsáveis pela produção. Além disso, são co-produtores, pois são parceiros no processo de produção dos alimentos que consomem.

 

Fundado na Itália em 1986, o movimento hoje é uma associação sem fins lucrativos, com mais de 80 mil membros e escritórios na Itália, Alemanha, Suíça, Estados Unidos, França, Japão e Reino Unido, além de apoiadores em 122 países. No Brasil, os Convivia – núcleos locais do Slow Food – estão presentes nas cidades de Brasília (DF), Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP), Belém (PA), Fortaleza (CE), Florianópolis (SC), Pirenópolis (GO), Montes Claros (MG), Piracicaba (SP) e Tiradentes (MG). Além dos Convivia, existem atualmente 59 comunidades do alimento distribuídas em todas as partes do Brasil, e a Fundação Slow Food para a Biodiversidade atua na proteção de alimentos 100% nacionais, de sabores esquecidos e ameaçados de extinção. Na lista encontram-se alimentos como o arroz vermelho, o babaçu e a farinha de batata doce krahô (se alguém já tiver ouvido falar deles, ganha um prêmio do blog).

Para saber mais: http://www.slowfoodbrasil.com/