Uncategorized


Pois é… chegou a hora de dizer adeus a este blog aqui. Ele ficou pequeno para as minhas ideias mirabolantes. A vontade de ter uma área de vídeos, anúncios, incorporar isso, aquilo e organizar tudo de uma forma completamente diferente acabou me levando a sair do wordpress.com… e ir para o wordpress.org. Foram noites em claro quebrando a cabeça tentando desvendar aqueles códigos em html, php, css e sei lá o quê só para trocar a cor de uma simple fonte. Agora está tudo lá, e vocês podem conferir no meu novo domínio blogsemdestino.com. Alguns links ainda estão quebrados, algumas coisas ainda insistem em sair do lugar, mas isso é algo que ainda vai me levar um tempo até deixar 100%, e uma coisa que eu aprendi nesses meus anos de jornalismo é a “trocar o pneu com o carro andando”. Se ficarmos pensando muito, a ideia não sai do papel. Se tem algum post que voce gosta aqui, não se preocupe, ele já está lá… então, without further ado, visitem, aproveitem, leiam, comentem, critiquem (pero no mucho) e, principalmente, divirtam-se com o novo Sem Destino.

Se você assina o RSS feed do semdestino.wordpress, mude sua assinatura para o blogsemdestino.com. Se ainda não assina, está esperando o quê??? É só clicar no link na página principal do novo blog.

ESTE BLOG MUDOU-SE PARA BLOGSEMDESTINO.COM

Como sempre que faço os posts sobre o réveillon vejo um monte de gente me perguntando sobre essa ou aquela festa, resolvi já me preparar para próxima virada e perguntar aos meus fiéis leitores espalhados pelo Brasil como foi a virada deles. Assim, com as opiniões já postadas aqui no Sem Destino, vai ficar mais fácil você se decidir em qual festa vai passar a virada para 2011. Sei que ainda falta muito tempo, mas, quando chegar novembro, dezembro, vocês vão me agradecer. Separei as opiniões por estado, aproveitando para jogar no meio algumas histórinhas engraçadas que acabei colhendo nos meus contatos com os amigos do Sem Destino. Lembrando que, para não ficar com um post de 2km, dei uma cortada em alguns textos, mas sem alterar nenhuma palavra. Conforme for recebendo mais comentários e fotos, vou postando aqui. Se você quiser participar, mande um email para djpedroserra@gmail.com.

Rio de Janeiro –

 
 
 
Camila (esq.) no MAM

Camila (esq.) no MAM

MAM – Camila Azevedo saiu lá de Natal, no Rio Grande do Norte, e não queria se meter em furada. Escolheu a festa no MAM e saiu satisfeita:

“Passei o reveillon no MAM e sem dúvida foi a melhor escolha que fiz… ambiente maravilhoso, pessoas bonitas, muitos ambientes com vários estilos de músicas, buffet perfeito, banheiros limpos, as bebidas estavam maravilhosas conforme combinado… não faltou nada… tudo funcionou muito bem. Ou seja, para quem está atrás de comodidade e praticidade vá para esse réveillon que com certeza não se arrependerá”.

Hotel Intercontinental – Sem uma boa alma que me mandasse comentários sobre a festa no Intercontinental, recorri ao meu colega de redação Edgard Maciel de Sá para contar como foi o evento. Lembrando da cara dele de satisfação no plantão do dia 1º (sim, nós estávamos trabalhando, firmes e fortes… mais fortes do que firmes), já sabia que seriam palavras de elogio:
“Fui pela primeira vez à festa do hotel Intercontinental, o Réveillon Carioca, e gostei muito do evento. O espaço do hotel é bem grande e, apesar de bem cheio, não estava difícil de se movimentar pelos ambientes da festa. A distribuição de bebidas também era eficiente, com garçons circulando e bares onde era possível se servir em poucos minutos. Eram dois salões com músicas. Um com DJ e um som mais techno e o ambiente principal, com um palco, que começou com DJ e depois teve Ivo Meirelles com a bateria da Mangueira e MC Marcinho. Na hora da virada, a maioria dos presentes saiu do hotel para ver os fogos na Praia de São Conrado. Em outro ambiente do hotel, funcionava o restaurante, com jantar (entre 0h30 e 3h30) e café da manhã (das 4h às 8h)”.
 
 

 

Costa Brava – Quem escolheu o réveillon do Costa Brava parece não ter saído muito satisfeito. Uma pena, pois o clube é ótimo e eu já fui a grandes festas lá. A organização realmente deve ter se esmerado em fazer besteira. Os comentários foram os piores possíveis, a ponto de o leitor Jonnas, que levou a namorada gaúcha e oito amigos de Sampa para a festa, pensar em entrar na Justiça:

“Fiz uma propaganda enorme sobre o visual, festa open bar com Absolut e Red Bull… simplesmente meia noite e quinze já nao tinha energético no bar da piscina. O pior nem foi isso, em alguns bares encontrava-se red bull mas sob o encanto de uma vodca chamada OROSTOFF. Foram 650 reais, meus e de minha namorada, jogados no lixo. Passei raiva até para conseguir um copo de água pra ver o sol nascer… Me senti feito de otário e isso não acaba aqui. Vou tomar algumas medidas judiciais”.

Vanessa Andrade reclamou também da falta de mesas e do estacionamento:

“NUNCA aqui no Rio estive em uma festa tão ruim!! Já começou errado. Chegamos às 19:40 hs e ficamos rodando para tentar estacionar. Uma fila enorme nos esperava do lado de fora. Quando entrei (20:50hs), SUPRESA! Não tinha mesa. Uma amiga minha estava com a mãe que não podia ficar muito tempo em pé. A “organizadora” pediu que nos levantássemos porque o “evento” não foi feito para ficarmos sentados e que não colocaram mesas porque neste caso não caberia a metada das pessoas que estavam lá. Em outras palavras “O FOCO É DINHEIRO!!” Para piorar a comida foi um horror, a bebida acabou antes da hora, o café da manhã não existiu( tinha suco quente e NADA para comer)”.

Já o Thiago também reclamou do buffet e do estacionamento, mas acabou se divertindo mesmo assim:

“Logo que cheguei tive problemas, prometeram estacionamento, cheguei por volta das 21:00 e simplesmente falaram que eu só poderia colocar o carro em outro estacionamento. Lá em baixo, e voltar de van, que cobrava pela subida. Passando essa prova, entramos. A festa em si estava muito boa, não tenho o que reclamar de bebidas nem do primeiro buffet, agora, por volta das 3:00 o buffet estava horrível, uma fila gigantesca, que cheguei a ponto de desistir. Na balança geral o saldo foi positivo. Mesmo com esses dois problemas, gostei da festa”.

Riocentro – Mais uma festa que não recebeu boas avaliações dos leitores do Sem Destino. Segundo a colaboradoa Bruna Natal, por uma estranha coincidência este evento foi produzido pelo mesmo pessoal que organizou o réveillon do Costa Brava…

Bruna flagrou a briga por um copo de bebida

Bruna flagrou a briga por um copo de bebida

“A festa que acabei indo – e me arrependendo profundamente – foi a do Riocentro. Tudo péssimo!!!  A comida muito aquém da prometida. Tinham pouquíssimas variações – bem diferente do que foi ofertado. Bebida? Até 24:30h (cheguei na festa às 23h) eu só havia conseguido beber 1 copo de cerveja e super quente, porque o lugar onde pegava a bebida as pessoas estavam tentando se matar. Lá pelas 1:30h as pessoas que conseguiram sobreviver à seca já conseguiam pegar cerveja sem se matar. Aí tava até menos quente. Refrigerante? Só 1 copo a noite toda. Espumante? Acho que nem Sidra deve ser tão ruim. Os garçons que serviam as bebidas (dentro do tal bar) às vezes se reuniam num canto, ficavam rindo e não atendiam ninguém com a galera gritando.
 
Banheiro feminino é sempre um horror… Mas 4 cabines (além daqueles imundos banheiros químicos que não tive coragem de ir) para cerca de 800 mulheres é simplesmente sem cometários. Mas tudo bem, como quase não conseguia pegar bebida e a gente suava bastante, não precisava ir tanto ao banheiro.  Saí quase 2h e o Jorge Ben Jor que tava programado para começar à 1h nem tinha aparecido”.

Por aí – Quem não se aventurou pelas (caras) festas pagas, parece ter passado um réveillon mais tranquilo, como é o caso da Ana Rosa, que achou uma solução simples em cima da hora:

“Decidimos às 21:00 do dia 31!!! Eu não gosto de “muvuca” e minha família é grande (ou seja, tudo muito caro)… Assim, queríamos algo tranquilo e mais barato. Acabamos passando em um dos quiosques da Lagoa Rodrigo de Freitas. Foi ótimo, tinha DJ animado, vimos os fogos de longe, e depois ficamos dançando e as crianças brincando. Muito bom mesmo. Grata surpresa e solução melhor do que a encomenda”.

Débora Fridman optou pelas areias de Copacabana, seu marido teve a câmera roubada, mas ela não pareceu se importar, maravilhada que estava com os fogos:

“No final das contas, como as festas estava muito caras, acabei indo pra copacabana mesmo. Sai de ipanema e fui andando até a altura da Paula Freitas, tudo bem tranquilo. Quanto mais perto de Copa, maior a quantidade de gente, parecia procissão, mas todo mundo num clima muito legal. Nãao vi aquela poluiçãao de ambulantes pelo caminho. Chegando a Copa, muuuuuito cheio.. mas dava pra andar tranquilamente. Infelizmente, nossa camera foi roubada. Estava no bolso do meu marido e, quando fomos ver, ela tinha sumido. Apesar disso, achei bem calmo, um clima ameno, não tinha aquelas pessoas só na espreita de você dar bobeira e te assaltarem. Os fogos… MARAVILHOSOS!!!!! INDISCRITÍVEL!!!!

Angra dos Reis e Ilha Grande realmente são lugares lindos. Lembro dos excelentes mergulhos que já fiz por lá, das festas que fui, os passeios de barco… então foi com muita tristeza que eu vi as manchetes do dia 1º, dando conta dos deslizamentos de terra, soterramentos, mortes. Geralmente deixo este tipo de assunto para os jornais, e me atenho a falar dos pontos positivos dos destinos turísticos, mas dessa vez me senti compelido a escrever algumas linhas sobre o assunto. A ideia do post é lembrar que você pode ajudar, mesmo estando muito longe.

Uma das formas é através de doações. A prefeitura de Angra abriu uma conta bancária para quem quiser depositar qualquer quantia. O número da conta é 74500-6, da agência 0460-X, Banco do Brasil, Angra dos Reis. Para doações de roupas e alimentos, você pode entrar em contato direto com a prefeitura para verificar formas de entrega nos telefones (24) 3377-6406, 3365-4588 e 3377-7869.

Redes sociais no apoio às vítimas

A ideia surgiu enquanto as informações dos mortos e desaparecidos passavam na TV e a publicitária Cristiana Soares (@cristalk) conversava no Twitter. Surgiu então o Projeto Enchentes, que já tem um blog no ar, dezenas de colaboradores e promete centralizar serviços para aqueles que querem ajudar e para quem precisa de ajuda. Enquanto eu faço este post, um mar de pessoas que nunca se viu na vida está colocando no ar o site, cada um dando a sua colaboração, o que prova que não precisa de muito para você participar de algo que vá trazer benefícios para os outros.

Turistas em laje no morro Pavão-Pavãozinho - Foto: Pablo Jacob / Extra

Turistas em laje no morro Pavão-Pavãozinho - Foto: Pablo Jacob / Extra

Depois de muita ponderação sobre onde ia passar o meu réveillon (afinal, como eu dou muitas dicas, acabo com muita informação na cabeça, fica difícil decidir), acabei optando pelo óbvio, simples e barato… praia de Copacabana. A festa como sempre estava linda, praia lotada, com aquela mistureba de gente feliz, bêbada, bonita, feia, rica, pobre, turistas, travestis, crianças… todo mundo se divertindo junto. Não vi confusão, parecia estar tudo organizado… até que veio a hora dos fogos. Decepção. Não sei se eu ainda carrego na minha memória os bons tempos quando os fogos saiam da areia e explodiam bem em cima das nossas cabeças, mas o fato é que começou bem devagar, tão devagar que eu esqueci de dar “feliz ano novo” aos meus amigos. O tal do sincronismo tão anunciado, causou no meu grupo ali na areia (e em muitas outras pessoas com quem eu conversei depois) a sensação de que algo estava por vir, mas nunca vinha. Descobri depois que eu estava no lugar errado, longe dos palcos e tal, e que quem passou a virada mais no meio da praia, não teve o que reclamar.

Segundo os jornais, apareceram no céu imagens do Cristo Redentor e do Pão de Açucar… eu não vi nada disso. Para o secretário municipal de Turismo, Antônio Pedro “a avaliação foi a melhor possível”.  A leitora aqui do blog Debora Fridman concordou: “Os fogos foram MARAVILHOSOS, INDESCRITÍVEL”, comentou ela, assim mesmo, em caixa alta.

Lendo aqui os jornais, vi que nenhum incidente grave foi registrado. Umas 800 pessoas foram atendidas nos postos médicos, a maioria bêbados com intoxicação alcoólica, ou que tiveram machucados leves. Quem teve trabalho mesmo foi o pessoal da Comlurb, que recolheu 522 toneladas de lixo (11% a menos que no ano passado). Clique para ver as fotos do dia seguinte na praia de Copacabana.

Um réveillon diferente foi comemorado nos morros Dona Marta e Pavão-Pavãozinho, recentemente pacificados pela polícia. Com uma belíssima vista do Rio de Janeiro, muitos gringos subiram a favela para apreciar a queima de fogos de um lugar antes proíbido. O fotógrafo do Extra Paulo Jacob acompanhou a festa na casa de Dona Azelina, que recebeu 30 turistas na laje do seu barraco no Pavão-Pavãozinho para a virada (clique aqui para ver as fotos).

Estou preparando um post com a opinião dos queridos leitores do Sem Destino sobre as festas de réveillon pelo Brasil, se você quiser participar, deixe o seu comentário neste post. Se quiser mandar foto, deixe o seu email no cometário para eu entrar em contato.

———————————————————————————

Assista a vídeos exclusivos na TV Sem Destino

Veja todas as fotos das minhas viagem pelo mundo no Flickr do Sem Destino

Se você veio parar nesse post direto de algum mecanismo de busca, clique aqui para ler as outras matérias na página incial do Sem Destino.

Para ler as notícias fresquinhas do Sem Destino, assine o RRS Feed do blog

Siga o Sem Destino no Twitter – clique aqui

Adeus ano velho... Feliz ano novo!!!

Adeus ano velho... Feliz ano novo!!!

Depois da última virada, quando enfiaram a tal da Mart´nália goela abaixo do povão, a prefeitura resolveu caprichar um pouco mais na festa de réveillon em Copacabana este ano. Serão 13 atrações em dois palcos, além de outros dois com apresentações de DJs. No palco principal, em frente ao Copacabana Palace, os Paralamas do Sucesso se apresentam com participação especial de Carlinhos Brown antes da meia-noite. Logo depois, quem sobe ao palco é Lulu Santos. O ano começa ao som da Orquestra Sinfônica Petrobras e, após a queima de fogos, é a vez de Beth Carvalho com o grupo Fundo de Quintal. A noite fecha com a bateria do Salgueiro e DJs. No palco satélite, em frente à Rua Santa Clara, tem Ed Motta, Roberta Sá e Pedro Luís, com a bateria da Beija Flor fechando a festa. Já os palcos com DJs ficam na Rua Miguel Lemos, onde o destaque é Marcelinho da Lua, e Av.Princesa Isabel, comandado por Marcelo Janot.

A prefeitura já avisou que vai fazer um choque de ordem no Réveillon e proibiu qualquer tido de recipiente de vidro na areia (tirando as garrafas de espumantes, que são tradição e não vêm em outro tipo de embalagem. Mesmo assim, para beber, só em copinho de plástico), além dos fogos de artifício.

E se você está preocupado com a possibilidade de a chuva estragar a sua festa, relaxe. O prefeito convocou a médium Adelaide Scritori, da Fundação Cacique Cobra Coral, para não deixar que um pingo caia sobre nossas cabeças durante a festa. O espirito que Adelaide diz incorporar estaria em Buenos Aires, mas estará aqui a tempo da virada para desviar as nuvens.

Confira os gráficos abaixo:

Interdições do trânsito

As atrações em Copacabana

A festa em outros bairros

Funafuti, Tuvalu

Funafuti, Tuvalu

Você já pensou em visitar as ilhas Tebua Tarawa and Abanuea, em Kiribati? Ou então Tuvalu? Ou ainda, as Maldivas? Bom, se você respondeu sim, é melhor de apressar. Muitas pessoas fazem listas de `lugares para se visitar antes de morrer`, pois bem, está é uma lista de `lugares para se visitar antes que as mudanças climáticas causem a elevação do nível do oceano e você fique a ver navios`. O nome é longo e não tão bacana quanto o outro, mas me assusta ainda mais. Imagina você, aos poucos, ver lugares lindíssimos irem desaparecendo, como em uma mágica de David Copperfield.

Blog Action Day

Blog Action Day

Não costumo falar sobre esse tipo de coisa aqui no blog. Não, não sou nem um pouco engajado e tenho até um motivo meio covarde para isso. Odeio pensar que algo assim um dia possa acontecer, então evito ver documentários como `Uma verdade inconveniente`, de Al Gore. É a inconveniência de saber essa tal verdade que eu prefiro evitar, até porque moro no Rio de Janeiro e trabalho em jornal, e assim, sou bombardeado por outras verdades inconvenientes, como pobreza, crime e políticos ladrões, todos os dias. Mas isso não quer dizer que não faça a minha parte: reciclo, não desperdiço água, não largo as luzes acesas, só jogo lixo no lixo, deixo o meu carro reguladinho e já até plantei árvores. Abri uma exceção hoje para me juntar a milhares de blogueiros ao redor do mundo no Blog Action Day, evento anual onde temas cabeludos, como meio ambiente e pobreza são discutidos. O tema desse ano é aquecimento global, então, nada melhor do que falar sobre como isso afeta nós, viajantes.

Tuvalu

Tuvalu

Tuvalu é um destino turístico que atrai milhares de visitantes por ano, que procuram relaxar em suas praias de areia branca e água azul, ou mergulhar. O problema é que o ponto mais alto desse arquipélago, formado por uns 30 atóis e com uma população de cerca de 10 mil pessoas, fica a apenas 4,5 metros acima do nível do mar, sendo que a maior parte não chega a dois. Como as previsões dos cientistas dão conta de uma elevação de cerca de 1 metro até 2100, poucas áreas permaneceriam acima da linha d’água. A situação nas cerca de 1,2 mil pequenas ilhas das Maldivas’, onde vivem cerca de 400 mil pessoas, é a mesma. Tebua Tarawa and Abanuea, duas ilhas do Kiribati, estado que faz fronteira com Tuvalu, já são um caso perdido. As duas ilhas, por sorte inabitadas, já desapareceram. Ironicamente, Abanuea quer dizer algo como `a praia que vai durar para sempre`. Logo ao lado, as Ilhas Marshal também vêm sofrendo com a erosão.

A situação é tão crítica que os governos de Tuvalu e Ilhas Maldivas vêm procurando um lugar para alojar seus habitantes. As maldivas inclusive criaram um fundo, com dinheiro proveniente do turismo, para comprar um pedaço de terra na Índia ou no Sri Lanka. O governo ainda anunciou que, até 2020, pretende chegar a emissão de carbono zero. Não que vá fazer muita diferença, já que o país responde por 0.1 % do total de emissões (não preciso nem dizer que Estados Unidos e China são os maiores poluidores, certo?). Mas a ideia é servir de exemplo para que outros países acompanhem.

A ideia de criar um país fora de seu território não agrada aos habitantes de Tuvalu, que ainda têm esperança de que a situação não chegue à esse extremo.

– Nós não queremos sair de Tuvalu. É a nossa casa e nós amamos. Temos que dar um jeito para que as pessoas deste país continuem morando aqui, em paz. Acreditamos que ainda há uma chance de reverter o aquecimento global. Ainda há tempo. Temos que fazer isso agora, antes que seja tarde demais, então temos que trabalhar com os países industrializados que estão causando isso. Esses problemas não foram causados por nós, mas, infelizmente, somos nós que sofremos as consequências – disse Panapasi Nelesone, secretário do governo de Tuvalu.

A perda de identidade de um povo que é obrigado a deixar o seu país é o que mais amedontra a radialista Fala Haulangi, que mora na Nova Zelândia:

– No final do dia, o que me preocupa é que um dia as pessoas vão me perguntar `de onde você é?`, e quando eu responder Tuvalu, eles vão perguntar onde fica. E eu vou ter que dizer `bem, o país já não existe mais. Foi engolido pelo mar por causa do aquecimento global`. Então, a nossa cultura, identidade, tudo vai desaparecer. Podemos até nos reunir para comemorar o dia da independência, mas será indiferente. Será difícil aceitar que não estaremos mais no mapa.

Também será difícil para nós, viajantes, aceitar que alguns dos destinos de nossa `lista de lugares para ir antes de morrer` terão desaparecido antes de termos a chance de visitá-los. Minha dica então é, visite-os o mais rápidamente possível, e cuide para que outros não sigam o mesmo caminho.

Leia mais no blog da amiga Lúcia Malla – ‘Era uma vez Tuvalu’

Para quem estranhar este post em inglês com imagens do WordPress, a explicação: não tinha nada para fazer e resolvi entrar no concurso WordPress Logo Fun

For those of you who are thinking ‘what the freak is a bunch of weird WordPress logos doing in a travel blog?’, there goes the explanation. No, as much as I would like (and need) WordPress is not sponsoring this blog (well, in a way it is… since it is free and all. But they are not giving me any money for that)… The fact is I had nothing better to do in a cold, rainy night in Rio and decided to join in the WordPress Logo Fun contest for a chance to win a million dollars (ok… the million dollar thing is a lie I told myself so I could do a good job… I think they are only giving a tap on the back).

So… without futher ado, there goes my art…

Kiss my press

Kiss my press

Hope they are not too prude to accept this just because it has a nice press on a fine piece of… never mind.

Yes, we press!

Yes, we press!

Wordpress and progress

Wordpress and progress

For those of you who don’t know, the Brazilian Flag has the phrase `ordem e progresso`, wich means `order and progress` written in the middle… so ‘WordPress e progresso’ for everybody.

We salute salute WordPress

We salute salute WordPress

American soldiers salute the flag of the State of São Paulo with the logo of WordPress in it… nice mix.

Wordpress Firefox

Wordpress Firefox

 

South Korean WordPress

South Korean WordPress

I really like the flag of South Korea, with the Yin Yang thing, and the WordPress logo fits right in there…

So, there is my art… I know you might be thinking `damn, this guy is a professional` (yeah, right), but I am not… I am just a Brazilian with way too much time in my hands.

Próxima Página »