OPS


Pois é… chegou a hora de dizer adeus a este blog aqui. Ele ficou pequeno para as minhas ideias mirabolantes. A vontade de ter uma área de vídeos, anúncios, incorporar isso, aquilo e organizar tudo de uma forma completamente diferente acabou me levando a sair do wordpress.com… e ir para o wordpress.org. Foram noites em claro quebrando a cabeça tentando desvendar aqueles códigos em html, php, css e sei lá o quê só para trocar a cor de uma simple fonte. Agora está tudo lá, e vocês podem conferir no meu novo domínio blogsemdestino.com. Alguns links ainda estão quebrados, algumas coisas ainda insistem em sair do lugar, mas isso é algo que ainda vai me levar um tempo até deixar 100%, e uma coisa que eu aprendi nesses meus anos de jornalismo é a “trocar o pneu com o carro andando”. Se ficarmos pensando muito, a ideia não sai do papel. Se tem algum post que voce gosta aqui, não se preocupe, ele já está lá… então, without further ado, visitem, aproveitem, leiam, comentem, critiquem (pero no mucho) e, principalmente, divirtam-se com o novo Sem Destino.

Se você assina o RSS feed do semdestino.wordpress, mude sua assinatura para o blogsemdestino.com. Se ainda não assina, está esperando o quê??? É só clicar no link na página principal do novo blog.

ESTE BLOG MUDOU-SE PARA BLOGSEMDESTINO.COM

Anúncios
Nicholas, tadinho, se deu mal - Foto: divulgação

Nicholas, tadinho, se deu mal - Foto: divulgação

Como dizia o ditado, malandro é gato, que já nasce de bigode… o americano Nicholas Anthony Porfilio, de 25 anos, foi preso na segunda-feira por policiais da Delegacia Especial de Atendimento ao Turista (Deat). A acusação, o bom o velho golpe do seguro, o mesmo que levou em cana as turistas inglesas Shanti Andrews e Rebeca Turner em julho. Nicholas foi à delegacia e disse que foi assaltado a duas quadras do Hotel Atlântico Copacabana, onde estava hospedado, por volta das 6h30m. Os bandidos teriam levado suas três malas, segundo ele, avaliadas em US$ 18 mil. Os policiais não acreditaram muito na história do gringo e, quando foram checar, descobriram que ele tinha feito o check-out às 10h30m e que a bagagem estava dentro do guarda-volumes do hotel. Resultado, Nicholas está preso na Deat e membros do Consulado Americano estão acompanhando o caso.

No caso das americanas, elas ficaram presas com outras presas comuns, como qualquer mortal, conseguiram um habeas corpus e responderam ao processo em liberdade, sem poder deixar o país, até serem absolvidas, no último dia 17. Agora vamos ver o que acontece com Nicholas.

Fonte: O Globo

———————————————————————————

Assista a vídeos exclusivos na TV Sem Destino

Veja todas as fotos das minhas viagem pelo mundo no Flickr do Sem Destino

Se você veio parar nesse post direto de algum mecanismo de busca, clique aqui para ler as outras matérias na página incial do Sem Destino.

Para ler as notícias fresquinhas do Sem Destino, assine o RRS Feed do blog

Siga o Sem Destino no Twitter – clique aqui

Só quando cruzo a Ipiranga com a Avenida São João...

Quando você pensa em turismo no Brasil, que cidades lhes vêm a mente? Rio, Salvador, Recife, Florianópolis. Esqueçam todas elas e tentem adivinhar qual foi eleita a melhor capital para os turistas em pesquisa realizada pela Fundação Getúlio Vargas a pedido do Ministério do Turismo… São Paulo, a Terra da Garoa. Entre as cidades que não são capitais, Foz do Iguaçu ficou em primeiro e Ouro Preto em segundo.

Agora, vamos ver quais foram os critérios utilizados… a melhor aqui veio no sentido de mais bem estruturada. Realmente para quem gosta de um bom albergue, isso não é lá muito verdadeiro, pois só existem uns oito em toda a metrópole, mas a pesquisa avaliou 65 municípios em 13 aspectos, atribuindo notas de 0 a 100 a cada item. As cidades foram divididas em grupos de 27 (26 capitais e o Distrito Federal) e 38 (não capitais) e classificadas só dentro do próprio conjunto.

Os quesitos analisados foram economia local, capacidade empresarial, acesso (rodovias, ferrovias, aeroportos e transporte local) e serviços e equipamentos turísticos, que inclui sinalização turística, centro de atendimento ao turista, espaços para eventos, capacidade dos meios de hospedagem, dos restaurantes e do turismo receptivo e estrutura de qualificação para o turismo. Cada cidade foi visitada por pesquisadores da FGV durante cinco dias, entre julho e setembro de 2008.

O Rio de Janeiro, sede das Olimpíadas de 2016 e principal porta de entrada dos turistas no Brasil, só ficou em primeiro lugar no quesito ‘atrativos turísticos’, o que demonstra que muita coisa ainda precisa melhorar até lá.

Confira abaixo as melhores cidades em cada quesito:

Infraestrutura geral
.
Capital – Florianópolis
Não capital – Bento Gonçalves
Acesso
.
Capital – São Paulo
Não capital – Foz do Iguaçu
Serviços e equipamentos turísticos
.
Capital – São Paulo
Não capital – Foz do Iguaçu
Atrativos turísticos
.
Capital – Rio de Janeiro
Não capital – Ouro Preto
Marketing e promoção do destino
.
Capital – Belo Horizonte
Não capital – Foz do Iguaçu
Políticas públicas
.
Capital – Recife
Não capital – Porto Seguro
Cooperação regional
.
Capital – Natal
Não capital – Maraú
Monitoramento
.
Capital – Belo Horizonte
Não capital – Balneário Camboriú
Economia local
.
Capital – São Paulo
Não capital – Gramado
Capacidade empresarial
.
Capital – São Paulo
Não capital – Foz do Iguaçu
Aspectos sociais
.
Capital – Curitiba
Não capital – Ouro Preto
Aspectos ambientais
.
Capital – Curitiba
Não capital – Foz do Iguaçu
Aspectos culturais
.
Capital – Salvador
Não capital – Ouro Preto
Búzios sob chuva

Búzios sob chuva

Hoje em dia, só vou a Búzios em fim de semana fora de temporada. Odeio trânsito e lugares muito cheiros. Não tenho saco para ficar procurando vaga de estacionamento, muito menos para brigar por uma cadeira na praia. Devo estar precocemente me tornando um velho ranzinza, mas a questão é, vocês não vão me ver na cidade de Brigitte Bardot entre os meses de novembro e fevereiro… talvez até março. Para quem gosta de uma boa festa e tal, eu recomendo. Zoei muito por lá, talvez tanto que agora cansei. Fui para Búzios esse fim de semana… uma beleza.

Chove lá fora...

Chove lá fora...

A chuva de sábado espantou muita gente, e eu fiquei com a cidade inteira só para mim (eu sou meio egoista também). No entanto, existem dois eventos que, apesar de deixarem a cidade lotada, ainda me atraem bastante. Um é o Festival de Jazz de Búzios, que acontece em julho e este ano não contou com a minha digníssima presença devido a uma incompatbilidade de calendário (eu estava de plantão no jornal). O outro é o VIII Festival Gastronômico de Búzio, que acontece neste fim de semana, 23 e 24 de outubro.

Festival de 2008 - foto: divulgação

Festival de 2008 - foto: divulgação

São 40 dos melhores restaurantes da cidade oferecendo degustações de pratos mirabolantes a preços acessíveis. Imagine quando você ia conseguir entrar em um Satyricon da vida e encher a pança por apenas R$ 15. Pois esse é o preço que os participantes estarão cobrando por seus pratos principais no fim de semana. As entradinhas saem por R$ 10. Só para efeito de comparação, no fim de semana eu paguei R$ 6,50 por uma bola de sorvete Itália.

Itália, o sorvete mais caro do mundo

Itália, o sorvete mais caro do mundo

Se você assiste à novela das oito sonhando em um dia ser um Marcos (personagem de José Mayer em `Viver a Vida`), essa é a sua chance. Alias, o `fator Manoel Carlos` é garantia de casa cheia no balneário. De acordo com o organizador do Festival, Gil Castelo Branco, a expectativa é superar o público de 100 mil visitantes alcançado no ano passado.

Rua das Pedras - comida e muitas compras

Rua das Pedras - comida e muitas compras

Só para dar um gostinho, segue a lista dos restaurantes e dos pratos que eles irão apresentar no Festival:

Orla Bardot

• Sawasdee

Prato – Khao Mok Gung

Camarão, pimenta picada, nampla, curry, cebola e arroz jasmim.

▪Cappriciosa

Prato – Margherita Le Pizze Gourmet

Pizza  a base de mussarela de búfalo, tomate paquino e lascas de parmesão grana Padano. Complemento com basílico fresco.

 

▪Satyricon

Prato – Spuntini – antepasto italiano

Combinações que podem ser montadas e combinados pelo cliente: filezinho de sardinha, polvo, mexilhão gratinado, tomate seco, atum, grelhados de berinjelas, pimentões verde, amarelo e vermelho e abobrinha.

 Rua das Pedras

▪ Café Colombina

Prato – Satay sortido ao peanut sauce

Espetinho de camarão e peixe, regado com molho fino de tamarindo e amendoim. Receita exclusiva para o festival.

▪Captains Sushi Bar

Prato – Galeto laqueado a Pequim

Galeto recheado e com molho de laquê de anis. Uma versão buziana do tradicional prato Pato a Pequim. Receita exclusiva para o festival.

•Cigalon

Sobremesa – Macarons

Gateau perfumado, seco, redondo, oval, a base de pasta de amêndoas, clara de ovos e açúcar. Servido pela 1ª vez no ano de 1.660, no casamento de Louis XIV e Marie Thérèse, na França.

▪Churrascaria Don Juan

Prato  – Churrasco Don Juan

Cortes variados de carnes, incluindo: lingüiça, picanha, maminha e contra filé, servido com farofa da casa e molho “chimichurri” (argentino) a base de azeite, orégano e pimenta calabresa. Acompanha fatias de pão francês. Receita exclusiva para o festival.

Brigittas

Brigittas

•Brigittas

Prato – Steak tartar a moda russa

Filé mignon cru, picado na faca e temperado com cebola, alcaparras verdes, páprica, mostarda dijon. Encimado por uma gema de ovo.

▪Baroque

Sobremesa – Apfel Strudel

Massa folheada com recheio de maçã, canela, uva passa e confeitado com açúcar. Torta de maçã originária da Alemanha.

 

•Parvati

Prato – Linguine ao ragout de agnello e melanzane

Fatias de cordeiro marinado e cozido no molho de cebola, azeite, alho poró. Com uma massa caseira e cubinhos de berinjela.

Chez Michou

Chez Michou

▪Chez Michou

Sobremesa – Crepe “Mambo-Manga”

Mix de frutas – banana, abacaxi, mamão e morango – coberto com creme inglês e sorvete de manga por cima. Receita exclusiva para o festival.

▪Pátio Havana

Entrada – Amuse Bouches – “Viver a Vida”

Blinis servidas com sour cream de ciboulette e salmão fumé, decorada com endro fresco. Mini croque com queijo fundido e bechamel de funghi porcini Cestinha crocante servida com tomate confit, tapenade e crocante de parmesão. Pirulito de queijo sardo com presunto crú.

 Shopping N. 1

•Beach Pizza

Prato – Tortelline de funghi com filé mignon

Massa caseira recheada com funghi, com molho de queijo mascarpone, fios de queijo gran formaggio e mini medalhão de filé mignon. Manjericão e orégano fresco. Receita exclusiva para o festival.

•Cafeteria Number One

Sobremesa – Tubetts de frutas silvestres com sorvete de creme

Massa de panqueca de chocolate amargo, flambada ao rum e recheada com frutas silvestres. Aromatizada com licor de jabuticaba. Acompanha uma bola de sorvete de creme. Receita exclusiva para o festival.

O restaurante `Se essa rua fosse minha...` não participa do Festival, mas eu achei ele tão bonitinho que coloquei aqui

O restaurante `Se essa rua fosse minha...` não participa do Festival, mas eu achei ele tão bonitinho que coloquei aqui

 •Cantinho da Batata

Prato – Batata rostie recheada com camarão

Batata pré-cozida ralada grosseiramente, modelada em uma frigideira antiaderente com camarões salteados no azeite e requeijão cremoso.

 

Rua Manoel Turíbio de Farias

▪El Lorenzo

Prato – Ravióli de cordeiro ao sugo com hortelã

Massa caseira com molho de tomate fresco, recheada com cordeiro picado e molho de vinho branco.

▪ Salsa

Entrada – monte sua salada com folhas e grãos.

Monte sua própria salada com folhas orgânicas, variados grãos e frutas secas, ceviche de polvo. Regado a molhos especiais preparados pelo chef da casa exclusivamente para o festival.

▪ Bananaland

Prato – Camarões agridoce com purê de batata baroa e nirá 

Molho agridoce oriental, camarão grelhado, cebola e abacaxi. Receita exclusiva para o festival.

•Farias Grill

Sobremesa – Pêra do Farias

Pêra cozida no vinho branco com licor de anis, recheada com sorvete de creme. Banhada em calda de pêssego e morango fresco.

 

•Recanto do Sol

Prato – Chapa mista de frutos do mar

Camarões, lulas, mariscos, file de peixe, tomate, pimentão, cebola e aipim e temperos brasileiros. Salteado na chapa e refogados no azeite extra-virgem italiano

•Restaurante Boom

Prato – Rocambole de filet de dourado com recheio de camarão

Marinado no leite de côco. Perfumado com coentro fresco, salsa e cebolinha. Servido com cebola caramelada, pimentões coloridos flambados na manteiga. Acompanhamento opcional, arroz crocante – arroz branco agulinha, salteado no gergelim puxado no azeite. Receita exclusiva para o festival.

•Café  La Provence

Sobremesa – waffle La Provence

 Delicioso e crocante waffle de baunilha acompanhado de frutas frescas da época, ganache de chocolate e chantilly. É originário da Escócia.

•Bistrot Bellavere

Entrada – Tortino di Melanzana

Rodelas de Berinjelas grelhadas, ao molho de tomate fresco com alcaparras, anchovas;  azeitonas pretas e verdes, azeite de oliva sob filezinhos de peixe branco com base de pão caseiro.Receita exclusiva para o festival.

•Mr. Brad

Entrada – Fajitas de carne e frango

Clássico prato mexicano, composto por tortilhas de trigo recheadas com tirinhas filé mignon, frango e pimentão, cebola e tomate assados, servidas com molhos típicos.

•Restaurante do David

Entrada – pastel de camarão

Não está no cardápio e é servido somente para os clientes habitués da casa. Massa de pastel sequinha e crocante com óleo de camarão, azeite extra-virgem, salsinha, cebolinha e recheado com porção generosa de camarões.

▪Mineiro Grill

Sobremesa – Torta de mousse de chocolate com sorvete de creme

 

Deliciosa mousse feita com chocolate meio amargo, manteiga, ovos e açúcar. Acompanha uma bola de sorvete de creme.

 

•Sabor cubano

Prato – Habana

Composto de camarão com arroz e aromatizado com açafrão. Acompanha bananas chips, ervilhas frescas e o legítimo sabor cubano. Melhor ainda se acompanhado de um Mojito.

Buzin - Foto: Fábio Rossi / Divulgação

Buzin - Foto: Fábio Rossi / Divulgação

•Buzin

Entrada – Camarão ao coco com açafrão

Rico e extremamente gostoso. O uso do leite de côco temperado com o açafrão garante um aroma todo especial. O uso da lula e do camarão revela as sutis diferenças entre os dois ingredientes.

Porto da Barra

•Bar do Mangue

Prato – Filet de peixe grelhado com molho de funcho

Acompanha limão siciliano com batata rostie e espinafre. Receita exclusiva do festival.

▪ Bar dos Pescadores

Prato – Mix de frutos do mar ao Pescador

Purê de inhame, peixe branco ao  molho de aroeira, com camarões e lulas.Acrescido de molho de azeite de dendê  e leite de coco. Receita exclusiva para o festival.

•Captains Restaurante Asiático

Prato – Galeto laqueado a Pequim

Galeto recheado e com molho de laquê de anis. Uma versão buziana do tradicional prato Pato a Pequim. Receita exclusiva para o festival.

• Cafeteria Golden Fruit

Sobremesa – Brownie branco com nozes e macadâmia

Saboroso e nutritivo, recheado com colié de morango e sorvete de vanila. Receita exclusiva para o festival.

•Carioquice Bar e Restaurante

Prato – Feijoada de frutos do mar

Deliciosa e audaciosa combinação do feijão branco com frutos do mar e temperos caseiros.

•D´Jabour

Prato – Maghreb com ervas, camarão e lulas

Da cozinha marroquina. Feito com ervas vindas do Marrocos. O molho sofre redução para cortar a acidez dos frutos do mar. Tudo regado com azeite extra-virgem caseiro e artesanal. Receita exclusiva para o festival.

•Pizzaria Famiglia Pizzi

Entrada – Gamberetti ao pesto basílico

Uma combinação excitante de farofa de pão, com camarão, pepino ralado e o doce perfume do suave limão siciliano. Completando, um molho pesto de azeite de camarão. Sucesso garantido. Receita exclusiva para o festival.

No último dia, o sol abriu

No último dia, o sol abriu

•Escritório

Entrada – Escondidinho de carne seca com abóbora

Comida de boteco, feito com purê de abóbora especialmente preparado com temperos especiais, creme de leite e gorgonzola e no recheio catupiry e carne seca.

•Primitivo

Prato – Camarão ao bisque

Camarão grelhado acompanhado de risoto com crispi de alho poró ao molho bisque – molho saboroso com base de casca de lagosta, camarão e ervas aromáticas. Receita exclusiva para o festival

•Quadrucci

Entrada – Cogumelos paris gratinados – recheados com gorgonzola e ragu de cogumelos

A entrada mais tradicional do restaurante e também a que tem o maior número de fãs. Uma ótima amostra da excelente culinária do Quadrucci.

Zuza

Prato – Salada de Ravióli de Ementhal e Pistache; Folhas, Legumes e Molho de Frutas Cítricas.

Raviólis caseiros recheados com queijo ementhal e pistache em salada de radiccio, frisée, aspargos, abobrinhas grelhadas, chips de presunto cru e molho de tangerina, siciliano e orégano fresco. Receita exclusiva para o festival.

———————————————————————————

Leia também – dicas para o réveillon de Búzios

Veja todas as fotos da viagem no Flickr do Sem Destino

Se você veio parar nesse post direto de algum mecanismo de busca, clique aqui para ler as outras matérias na página incial do Sem Destino.

Para ler as notícias fresquinhas do Sem Destino, assine o RRS Feed do blog

Siga o Sem Destino no Twitter – clique aqui

Funafuti, Tuvalu

Funafuti, Tuvalu

Você já pensou em visitar as ilhas Tebua Tarawa and Abanuea, em Kiribati? Ou então Tuvalu? Ou ainda, as Maldivas? Bom, se você respondeu sim, é melhor de apressar. Muitas pessoas fazem listas de `lugares para se visitar antes de morrer`, pois bem, está é uma lista de `lugares para se visitar antes que as mudanças climáticas causem a elevação do nível do oceano e você fique a ver navios`. O nome é longo e não tão bacana quanto o outro, mas me assusta ainda mais. Imagina você, aos poucos, ver lugares lindíssimos irem desaparecendo, como em uma mágica de David Copperfield.

Blog Action Day

Blog Action Day

Não costumo falar sobre esse tipo de coisa aqui no blog. Não, não sou nem um pouco engajado e tenho até um motivo meio covarde para isso. Odeio pensar que algo assim um dia possa acontecer, então evito ver documentários como `Uma verdade inconveniente`, de Al Gore. É a inconveniência de saber essa tal verdade que eu prefiro evitar, até porque moro no Rio de Janeiro e trabalho em jornal, e assim, sou bombardeado por outras verdades inconvenientes, como pobreza, crime e políticos ladrões, todos os dias. Mas isso não quer dizer que não faça a minha parte: reciclo, não desperdiço água, não largo as luzes acesas, só jogo lixo no lixo, deixo o meu carro reguladinho e já até plantei árvores. Abri uma exceção hoje para me juntar a milhares de blogueiros ao redor do mundo no Blog Action Day, evento anual onde temas cabeludos, como meio ambiente e pobreza são discutidos. O tema desse ano é aquecimento global, então, nada melhor do que falar sobre como isso afeta nós, viajantes.

Tuvalu

Tuvalu

Tuvalu é um destino turístico que atrai milhares de visitantes por ano, que procuram relaxar em suas praias de areia branca e água azul, ou mergulhar. O problema é que o ponto mais alto desse arquipélago, formado por uns 30 atóis e com uma população de cerca de 10 mil pessoas, fica a apenas 4,5 metros acima do nível do mar, sendo que a maior parte não chega a dois. Como as previsões dos cientistas dão conta de uma elevação de cerca de 1 metro até 2100, poucas áreas permaneceriam acima da linha d’água. A situação nas cerca de 1,2 mil pequenas ilhas das Maldivas’, onde vivem cerca de 400 mil pessoas, é a mesma. Tebua Tarawa and Abanuea, duas ilhas do Kiribati, estado que faz fronteira com Tuvalu, já são um caso perdido. As duas ilhas, por sorte inabitadas, já desapareceram. Ironicamente, Abanuea quer dizer algo como `a praia que vai durar para sempre`. Logo ao lado, as Ilhas Marshal também vêm sofrendo com a erosão.

A situação é tão crítica que os governos de Tuvalu e Ilhas Maldivas vêm procurando um lugar para alojar seus habitantes. As maldivas inclusive criaram um fundo, com dinheiro proveniente do turismo, para comprar um pedaço de terra na Índia ou no Sri Lanka. O governo ainda anunciou que, até 2020, pretende chegar a emissão de carbono zero. Não que vá fazer muita diferença, já que o país responde por 0.1 % do total de emissões (não preciso nem dizer que Estados Unidos e China são os maiores poluidores, certo?). Mas a ideia é servir de exemplo para que outros países acompanhem.

A ideia de criar um país fora de seu território não agrada aos habitantes de Tuvalu, que ainda têm esperança de que a situação não chegue à esse extremo.

– Nós não queremos sair de Tuvalu. É a nossa casa e nós amamos. Temos que dar um jeito para que as pessoas deste país continuem morando aqui, em paz. Acreditamos que ainda há uma chance de reverter o aquecimento global. Ainda há tempo. Temos que fazer isso agora, antes que seja tarde demais, então temos que trabalhar com os países industrializados que estão causando isso. Esses problemas não foram causados por nós, mas, infelizmente, somos nós que sofremos as consequências – disse Panapasi Nelesone, secretário do governo de Tuvalu.

A perda de identidade de um povo que é obrigado a deixar o seu país é o que mais amedontra a radialista Fala Haulangi, que mora na Nova Zelândia:

– No final do dia, o que me preocupa é que um dia as pessoas vão me perguntar `de onde você é?`, e quando eu responder Tuvalu, eles vão perguntar onde fica. E eu vou ter que dizer `bem, o país já não existe mais. Foi engolido pelo mar por causa do aquecimento global`. Então, a nossa cultura, identidade, tudo vai desaparecer. Podemos até nos reunir para comemorar o dia da independência, mas será indiferente. Será difícil aceitar que não estaremos mais no mapa.

Também será difícil para nós, viajantes, aceitar que alguns dos destinos de nossa `lista de lugares para ir antes de morrer` terão desaparecido antes de termos a chance de visitá-los. Minha dica então é, visite-os o mais rápidamente possível, e cuide para que outros não sigam o mesmo caminho.

Leia mais no blog da amiga Lúcia Malla – ‘Era uma vez Tuvalu’

Gansevoort Hotel

Gansevoort Hotel

Como falei no post sobre o Central Park, a cada vez que vou a Nova York encontro algo novo. Havia nove anos que não visitava a cidade, então foi tempo suficiente para muitas coisas aconteceream, boas e ruins. Achei muito estranho olhar a silhueta da cidade sem o World Trade Center. Passei até perto do Ground Zero, mas realmente não tive muita vontade de ir lá. Do lado bom, pude finalmente visitar o tão falado Meat Packing District, com seus restaurantes, lojas, bares e boates. O lugar surgiu como um novo ponto de encontro de artistas, designers, arquitetos e escritores por volta de 2003, quando passou a ser considerado um local de preservação da história da cidade e ganhou o nome de Gansevoort Market History District. O nome de Meatpacking vem do passado da área como um centro de matadouros e empacotadoras de carne.

Veja mais fotos no Flickr do Sem Destino

Pastis

Pastis

Seguindo as dicas de minha tia novaiorquina, fomos comer no restaurante Pastis, um bistrô francês com boa, e cara, comida, gente bonita e garçons educados e conversadores. Acabamos gastando mais do que gostaríamos por uma comida que não era lá essas coisas, mas a atmosfera do local compensou. Alimentados, seguimos para conhecer as boates do lugar. Após pagar cerca de USD 100 no jantar, a última coisa que queríamos fazer era gastar o que sobrou das nossas verdinhas na entrada de uma boate que nem sabíamos se sería boa. Tivemos uma grata surpresa logo na primeira tentativa. O lounge do hotel Gunsevoort, localizado no alto de um prédio de 14 andares, com um telhado de vidro que permite uma bela vista da cidade, não cobrava entrada. A Isabela ficou falando desse lugar por meses antes de nós viajarmos, e realmente vale a pena.  Além da vista, o lugar tem uns quatro ambientes com mesinhas, sofás, lareiras, gente bonita e boa música (senti falta de um DJ lá. Não gosto quando não há ninguém controlando o som. Talvez porque eu seja DJ, mas ter alguém atrás das pick ups faz diferença).

Entrada do Gansevoort

Entrada do Gansevoort

Para quem está acostumado à badalação do Soho ou do Village, o Meatpacking é uma boa opção. A diferença é que no Village, os bares apostam na música ao vivo. Aqui, o negócio é mais a badalação mesmo. Após curtir um pouco o terraço do Gansevoort, voltamos para a rua para procurar outro lugar. A fila em frente a boate Cielo nos desencorajou e já pensávamos em voltar para o hotel quando vimos algumas pessoas descendo uma escadinha escondida no número 675 da Hudson Street. Perguntamos ao segurança o que era, e ele falou para entrarmos e descobrirmos por nós mesmos… e, o melhor, sem ter que pagar. Essa foi a nossa mais grata surpresa. O 675 bar é um subterraneo de pedra, com mesa de sinuca, DJ, gente animada e até uma escultura de cavalo em tamanho real. Espalhado pelo ambiente, quartinhos com diferentes atividades… em um, há uma televisão passando filmes, no outro, videogames, há ainda uma biblioteca como se alguém fosse ler no meio da noite) e uma área com jogos de tabuleiro (Banco Imobiliário depois de alguns drinques deve ser a maior diversão). No dia em que estivemos lá, estava rolando um afterparty de algum evento e, no comando do som, estava o ex-namorado de Pamela Anderson, Kid Rock, fazendo scratches no toca-discos e mandando um rap de improviso no microfone, arrancando gritinhos das moças mais empolgadas. Uma chegou até a subir no tal cavalo, mas foi rapidamente retirada pelo segurança.

Kid Rock... rocking at 675
Kid Rock… rocking at 675
You go girl...

You go girl...

 

O High Line Park é um capítulo à parte, que merece uma visita durante o dia. O parque foi construido em uma linha de metrô suspensa, que funcionava desde 1930 e foi desativada em 1980. Sem uso, a prefeitura decidiu demolir a construção, mas esbarrou na determinação dos locais em preservá-la. A solução foi construir um parque a uns 10 metros de altura. A primeira parte (entre as ruas Gansevoort e 20) foi inaugurada no meio do ano, e a segunda (até a rua 30) está prevista para o ano que vem. Clique aqui para ver fotos do parque.
Site: www.thehighline.org
Horário: de 7h às 22h.
Clique para fazer o download do mapa.

Assista a um vídeo sobre o parque:

Há tantas atrações no lugar que eu gostaria de ter voltado no dia seguinte, mas o meu voo saía às 8 da matina no dia seguinte e eu não queria perdê-lo. Separei aqui uma lista de algumas coisas para se fazer por ali. Quem quiser, pode também fazer o dowload de um mapa do local, com todas as dicas, clicando aqui.

Restaurantes, bares, cafes e afins:

5 Ninth – O charme deste restaurante de comida americana está em seu prédio, uma townhouse de 1850 com um belo pátio externo e lareiras em todos os andares.
Endereço – Ninth Avenue, nº 5, esquina com rua Gansevoort.
Tel.: 212-929-9460
Site: www.5ninth.com

APT – escondido entre os prédios, este bar oferece uma pista no andar de baixo e um lounge no de cima. Diferentemente da maioria, há uma entrada de USD 10. A decoração, onde há até uma cama em um dos ambientes, é uma das atrações, assim como jogos de tabuleiro.
Endereço: 419 W 13th St
Tel.: 212-414-4245

Ara Wine Bar – Uma pequena casa de vinhos com decoração indiana. Fechado aos domingos.
Endereço: 24 Ninth Avenue 212.242.8642
Site: www.arawinebar.com

Brass Monkey – Pub Irlandês onde a boa é apreciar um drink durante no terraço durante o verão.
Endereço: 55 Little West 12th street.
Telefone: 212-675-6686
Site: www.brassmonkeybar.com

Buddakan – A comida e a decoração são chinesas, mas com uma pitada de francês e o tempero de Nova York. O espaço, projetado pelo renomado Christian Liaigre é gigantesco, com 260 lugares e uma mesa comunitária para mais de 20 pessoas. Há ainda um espaço privado na chamada Golden Library.
Endereço: 75 Ninth Avenue 212.989.6699
Site: www.buddakannyc.com

Kiss & Fly – Com decoração romana e iluminação moderna, este clube tem um dos melhores sistemas de som de toda Manhatam e capricha nos eventos com DJs de primeira linha.
Endereço – 409 West 13th Street
Tel.: 212.255.1933
Site: www.kissandflyclub.com

675 Lounge

675 Lounge

675 Bar – Já falei sobre este lugar durante o post, então não vou me alongar. Basta dizer que foi um dos meus favoritos, e olha que eu sou bem chato.
Endereço: 675 Hudson Street enter on W. 13th between
Hudson and 9th Ave.
Tel.: 212.699.2410

Old Homestead Steakhouse – Fundado em 1868, é o steakhouse mais antigo de Nova York.
Endereço: 56 Ninth Avenue
Tel.: 212.242.9040
Site: http://www.theoldhomesteadsteakhouse.com

The Garden at ONO – Restaurante japonês com pátio e um jardim de tirar o fôlego, combinando os elementos do fogo, água, terra e ar. A peça principal é uma piscina cercada de bangalos privativos.
Endereço: 18 Ninth Avenue
Tel.: 212.660.6766

Paradou – Comida francesa em um ambiente inspirado em vilas da região de Provença
Endereço: 8 Little West 12th Street
Tel.: 212.463.8345
Site: www.paradounyc.com

Pastis

Pastis

Pastis – Já falei sobre o restaurante no post, um bistrô francês que reúne gente bonita e animada.
Endereço: 9 Ninth Avenue
Tel.:212.929.4844
Site: http://www.pastisny.com

Pop Burger – Fast food com estilo, essa é a proposta do restaurante. O restaurante é uma ode à cultura e arte pop.
Endereço: 58-60 Ninth Avenue
Telefone: 212.414.8686
Site: http://www.popburger.com

Ronnybrook Farm Dairy – Que tal sentar no balcão e tomar um leite direto de uma garrafinha de vidro? Ou um sorvete feito na hora? Se você gosta de tudo que deriva do leite, este é o seu lugar. Ah, eles também têm sanduiches.
Endereço: 75 Ninth Avenue – in Chelsea Market
Tel.: 212.741.6455
Site: http://www.ronnybrook.com

Son Cubano – A atmosfera do lugar levam você à Cuba dos anos 50, com decoração e música ao vivo.
Endereço: 405 West 14th Street 212.366.1640
Site: http://www.soncubanonyc.com

T Salon – A primeira casa de chá / cafe / mercado ecológicamente autosustentável de Nova York.
Endereço: 75 Ninth Avenue – in Chelsea Market
Telefone: 212.243.0432
Site: http://www.tsalon.com

The Green Table – Restaurante orgânico com um menu diário que reflete o que há de mais fresco nos mercados locais. Carta de vinhos e cervejas com bebidas sustentáveis, orgânicas e biodinâmicas.
Endereço: 75 Ninth Avenue – in Chelsea Market
Tel: 212.741.9174
Site: http://www.cleaverco.com

Galerias de arte:

Heller Gallery – Exibição principalmente de trabalhos em vidro de artistas renomados.
Endereço: 420 West 14th Street
Tel: 212.414.4014
Horário – De terça à sábado de 11h às 18h
Site: http://www.hellergallery.com

Ivy Brown Gallery – Galeria eclética com exposição de fotos, pinturas, trabalhos em vidro.
Endereço: 675 Hudson Street
Tel: 212.925.1111
Horário: de segunda à sábado de 12h às 17. Quintas até as 21h
Site: http://www.ivybrowngallery.com

Ground Zero Museum Workshop – Tours guiados de 90 minutos com imagens e artefatos encontrados no World Trade Center. Recomenda-se reservar antes.
Endereço: 420 West 14th Street, 2nd Floor
Tel: 212.209.3370
Preço: $19.00. Fechado às quartas-feiras
Site: http://www.GroundZeroMuseumWorkshop.com

Leo Kesting Gallery – Apresenta o trabalho de artistas iniciantes.
Endereço: 812 Washington Street
Tel: 917.650.3760
Site: http://www.leokesting.com

Milk Studios and Gallery – Galeria com quase 2 mil metros quadrados com arte contemporânea.
450 West 15th Street 212.645.2797
Six thousand square foot gallery that features contemporary and creative popular art shows. The gallery is the ground-level companion to the 45,000 square foot Milk Studios that also offers production and casting services.
http://www.milkstudios.com

Wooster Projects – especializada na obra de Andy Warhol
Endereço: 418 West 15th Street
telefone: 212.871.6700
Site: http://www.woosterprojects.com

Yes, we créu!

Yes, we créu!

Ontem foi um dia histórico para o Rio, o Brasil, a América do Sul e sei lá mais quem… a única vez na vida que eu fiquei tão apreensivo em frente à televisão foi quando a Fernanda Montenegro foi indicada ao Oscar. Mas enquanto a nossa grande atriz acabou decepcionando a todos, o Rio fez bonito e trouxe para casa a Olimpíada de 2016. O que isso significou para mim? Bom, em um primeiro momento, significou que, em vez de eu sair às 20h do jornal, eu só ia sair no meio da madrugada. Após a enxurrada de matérias que eu escrevi, os posts que coloquei no blog da Rio 2016 no jornal, as fotos que tratei, os vídeos que editei e sei lá mais o quê, pude pensar mais friamente no caso… mas aí eu já estava muito cansado para chegar a qualquer conclusão.

Pude ver, porém, alguns dos efeitos que a escolha do Rio como cidade-sede de 2016 já trouxe. O jornal veio cheio de anúncios, após um certo período de vacas magras, as ações de companhias aéreas subiram na bolsa de valores e, o mais importante, todos tinham um sorriso no rosto, demonstrando o orgulho de ser carioca, brasileiro, sul americano… Dei até uma entrevista ao vivo para uma rádio da Argentina… nossos hermanos devem estar até agora tentando entender o que eu falei, mas isso já demonstra a atenção na mídia mundial que passaremos a ter a partir de agora.

O Twitter foi um caso a parte. A criatividade e ironia dos brasileiros apareceram logo e o trending tópic ‘Yes, we créu’ foi para o topo da lista. Ressuscitaram até o Mussum, que virou o mascote da nossa zoação com os pobres americanos, eliminados na primeira rodada.

Uma análise mais profunda do que acontecerá daqui para a frente, dos ganhos, e perdas, que teremos com a responsabilidade de sediar o evento, de como isso afetará o turismo e a vida dos cariocas e brasileiros, ainda será feita aqui no blog… o momento agora é de comemorar, e gritar bem alto ‘YES, WE CRÉU!!!’

Próxima Página »