dicas


Pois é… chegou a hora de dizer adeus a este blog aqui. Ele ficou pequeno para as minhas ideias mirabolantes. A vontade de ter uma área de vídeos, anúncios, incorporar isso, aquilo e organizar tudo de uma forma completamente diferente acabou me levando a sair do wordpress.com… e ir para o wordpress.org. Foram noites em claro quebrando a cabeça tentando desvendar aqueles códigos em html, php, css e sei lá o quê só para trocar a cor de uma simple fonte. Agora está tudo lá, e vocês podem conferir no meu novo domínio blogsemdestino.com. Alguns links ainda estão quebrados, algumas coisas ainda insistem em sair do lugar, mas isso é algo que ainda vai me levar um tempo até deixar 100%, e uma coisa que eu aprendi nesses meus anos de jornalismo é a “trocar o pneu com o carro andando”. Se ficarmos pensando muito, a ideia não sai do papel. Se tem algum post que voce gosta aqui, não se preocupe, ele já está lá… então, without further ado, visitem, aproveitem, leiam, comentem, critiquem (pero no mucho) e, principalmente, divirtam-se com o novo Sem Destino.

Se você assina o RSS feed do semdestino.wordpress, mude sua assinatura para o blogsemdestino.com. Se ainda não assina, está esperando o quê??? É só clicar no link na página principal do novo blog.

ESTE BLOG MUDOU-SE PARA BLOGSEMDESTINO.COM

Anúncios
Se você está pensando em visitar Nova York entre janeiro e fevereiro, aí vai uma dica para você economizar alguns dolares. Com 200 promoções no cardápio, o Real Deal Winter, da organização de marketing e turismo NYC & Company, incluem entradas de atrações no esquema 2-por-1, créditos de US$ 50 em hotéis e descontos de 50% em estadias nas noites de domingo. Também há promoções em entradas de tearos, circos, tours… e até consultas médicas. Para usufruir, basta entrar no site escolher o programa e imprimir um voucher. Se você for fazer a reserva por telefone, há um código da promoção na página.
Confira abaixo algumas das promoções:
Atrações –
Madame Tussauds – compra uma entrada, leva outra.
Bronx Zoo – 50% de desconto na entrada de criança com a compra de uma de adulto.
The Jewish Museum – 50% de desconto.
Empire State Observatory – 50% de desconto no mapa
City Pass – passe com entrada para seis principais atrações de NY (Empire State, Museu de História Natural, Guggenheim, Metropolitan, MoMA e Cruseiro para a Estátua da Liberdade e Ellis Island) – Compre US$ 140 em tickets por US$ 79 e fure as filas.
Restaurantes
Angus McIndoe Restaurant e B.Smith’s restaurant segundo prato com 50% de desconto.
Russian Tea Room – Compre um buffet de caviar e ganhe 50% de desconto no segundo.
Noite –
The Bubble Louge  – Compre uma taça de champagne e gnhe 50% de desconto na outra.
Comix – 50% de deconto na entrada
Hotéis – em diversos hotéis, como o InterContinental New York Barclay e o SoHo Grand Hotel, fique um mínimo de duas noites (tendo chegado entre quinta e sábado) e ganhe um crédito de US$ 50 em comida e bebida e US$ 50 de crédito para usar em estadia em julho ou agosto de 2010.

———————————————————————————

Assista a vídeos exclusivos na TV Sem Destino

Veja todas as fotos das minhas viagem pelo mundo no Flickr do Sem Destino

Se você veio parar nesse post direto de algum mecanismo de busca, clique aqui para ler as outras matérias na página incial do Sem Destino.

Para ler as notícias fresquinhas do Sem Destino, assine o RRS Feed do blog

Siga o Sem Destino no Twitter – clique aqui

Twitando nas alturas

Twitando nas alturas

Escrevi este post ontem de dentro do avião, indo de Nova York para Los Angeles, mas acabou a bateria do notebook e eu só estou publicando hoje. Alguns voos da American Airlines têm conexão wi-fi. O valor para usar o seu computador a mais de 30 mil pés de altitude gira em torno de USD 12, mas, se você ficar atento antes de embarcar, pode conseguir um cartão de desconto ou mesmo gratuidade. Se a bateria estiver descarregada, sem problemas. Basta pedir a aeromoça para sentar próximo a uma das tomadas espalhadas pela cabine (na primeira classe ou na executiva, nem com isso precisa se preocupar. Todos os assentos tem entrada para o carregador). A entrada é igual àquelas de carro, então você tem que ter um adaptador. Como eu não tinha, fiquei a ver navios.

Ps. Estou devendo uma série de posts sobre Nova York, mas ainda não deu tempo e já estou acumulando aqui com os posts sobre Los Angeles.

Ser fiel vale a pena. Pelo menos é isso que eu penso sempre que consigo viajar usando minhas milhagens.  Para quem viaja muito, saber que a cada três ou quatro vezes que você voar por uma companhia aérea vai conseguir uma outra passagem é um estimulo.  Pesquisando preços de hotéis e vantagens para a minha próxima viagem, vi que, além de ser fiel na poltrona de um avião, vale a pena ser fiel também traz vantagens na cama… de um hotel.

Os programas de fidelidade de grandes redes de hotéis vêm ganhando cada vez mais espaço no Brasil. O sistema pode ser igual ao das companhias aéreas, com troca de pontos por vantagens, ou funcionar mais como um clube: você paga uma taxa de adesão, uma anuidade e pode usufruir de diárias e descontos nos hotéis da rede, dependendo aí da data, do tempo de permanência e tal. Cada empresa possui um modelo diferente. Grandes redes hoteleiras, como Marriot e Accor, viram nos clubes de férias uma oportunidade de aumentar a taxa de ocupação e manter os clientes fieis às suas confortáveis camas.

Uma observação aqui: achei algumas reclamações de um lado e elogios aos programas de outro. O fato é que, se você não estudar bem o que cada um oferece e verificar se ele atende às suas necessidades, pode acabar achando que não vale a pena. Veja bem o que cada empresa oferece, se realmente você vai conseguir usufruir de todos os benefícios do programa e se os hotéis oferecidos pela empresa ficam dentro dos seus roteiros de viagem. Conversei com meu amigo Roberto, agente da Rio Travel, que confirmou isso. Segundo ele, as vantagens estão lá e são reais, basta saber usar da maneira correta.

Royal Holiday – A empresa possui mais de 2 mil associados no Brasil e mais de 78 mil em todo o mundo.  Os principais destinos dos associados da Royal Holiday são as belas praias mexicanas de Cancun e Cozumel, mas os membros têm à disposição mais de 180 destinos em 52 países, além de 3 mil rotas de cruzeiro pelos sete mares. No Brasil, os membros podem usufruir de hospedagens que vão dos hotéris da rede Othon a charmosas pousadas em Búzios. O objetivo é “brindar benefícios através de grandes descontos ou roteiros que permitam aos sócios economizar nas viagens.” A associação funciona no esquema de anuidade e dá direito a hospedagens, descontos em tarifas aéreas e aluguel de automóveis, agência de viagem exclusiva etc.

Veja os hotéis da Royal Holiday em Cancun:

Marriot – A americana Marriott, que em 1984 criou o Marriott Vacation Club, possui 30 milhões de associados em todo o mundo e disponibiliza mais de 300 hotéis em 22 países. Os associados ao Marriott Rewards acumulam pontos a cada dólar gasto nos hotéis do grupo. Pontos que podem ser trocados por hospedagens, aluguel de carro, passagens aéreas etc. Mas, segundo 0 vice-presidente de relacionamento com o cliente da Marriott International, Bob Behrens, 90% das trocas são feitas em hospedagem e 10% em bilhetes .

Accor – Segundo o executivo Emanuel Baudart, de cada três hóspedes dos hotéis do grupo, um é associado ao programa de fidelidade. Ele está convencido que o brasileiro viaja “muito mais do que o europeu” e, por isso, a empresa vem oferecendo desde março o programa AClub por aqui. Os hóspedes podem resgatar pontos em hotéis de nove marcas do grupo (Sofitel, Pullman, MGallery, Novotel, Mercure, Suitehotel, Ibis, All Season e Accor Thalassa), somando mais de dois mil estabelecimentos em dezenas de países, e trocá-los por hospedagem ou por milhas de companhias aéreas parceiras.

Exclusive Resorts – esse é para quem tem dinheiro sobrando e não fica satisfeito com apenas uma suite presidencial. O número de associados aqui é bem menor, apenas 3 mil, mas também, quem é que pode pagar uma inscrição que vai de US$ 40 mil a US$ 120 mil e ainda desembolsar anualmente algo entre US$ 14 mil e US$ 60 mil? O diferencial aqui é o tipo de hospedagem: mais de 350 residências de luxo distribuídas por Europa, EUA, Costa Rica, México, Argentina e Tailândia.

Veja o vídeo de apresentação da Exclusive Resorts

Hyatt: Aceita qualquer data do ano para troca de pontos por reserva-prêmio, que pode ser feita para qualquer categoria de apartamento, de acordo com o saldo acumulado. Os pontos são acumulados com os gastos feitos nos 735 hotéis e resorts Hyatt em 44 países em todo o mundo, e podem ser revertidos em milhas para uso em mais de 30 empresas parceiras.

IHG: Os pontos acumulados no programa não expiram e podem ser convertidos em produtos, certificados de compras e milhas para mais de 40 companhias aéreas, além de aluguel de carros. O programa permite ainda a transferência e compra de pontos. A inscrição é gratuita e pode ser feita pelo site ou nas recepções dos hotéis das bandeiras IHG, que no Brasil são InterContinental, Crowne Plaza, Holiday Inn, Holiday Inn Express e Staybridge Suites.

Starwood: Com a promessa de acesso aos hotéis da rede sem restrição de datas, cada membro acumula pontos de acordo com a estada que podem ser trocados por noites extras grátis, milhas em companhias aéreas, acesso a lounges vips, upgrades e outros benefícios. O grupo Starwood reúne as redes Le Meridien, Four Points, Westin, The Luxury Collection, aloft, Sheraton, Element, St. Regis e W Hotels.

Sol Melia: O programa contempla hospedagens grátis, aluguel de carros, passagens aéreas e outros produtos.

Bristol: Para cada R$ 1 gasto em hospedagem (diárias), será atribuído um ponto Price Free ao cartão do titular. Os pontos são convertidos conforme a tabela de valores para alta e baixa temporada nos hotéis da rede Bristol. Além da pontuação por hospedagem, o programa dá benefícios ao hóspede frequente, como acúmulo de pontos; 15 minutos de business center gratuitos; early check-in às 10h e late check-out às 14h. A rede Bristol tem 21 hotéis no Brasil.

Golden Tulip: O acúmulo de pontos é computado de acordo com o valor gasto (diferenciado para euros, dólares e libras esterlinas). O programa permite a troca de pontos por itens que vão além de milhas e hospedagem, tais como presentes, eletrônicos, casa, cozinha, viagens, experiências. A Rede Golden Tulip no Brasil fez uma parceria com a loja virtual Submarino, para que os clientes troquem seus vouchers por produtos no site. A Golden Tulip reúne 12 unidades no Brasil.

Hotelaria Brasil: Cada diária paga dá direito a crédito de no mínimo dez pontos.  Hotelaria Brasil administra bandeiras próprias como Matiz (3 e 4 estrelas) e bandeiras internacionais como Best Western e Sol Inn, do grupo Sol Melia.

Fonte: Jornal O Globo, Revista Isto É e sites das empresas.

Procurando informações sobre a as festas da virada 2009/2010, então leia os posts:

Decida o seu réveillon – 2010, Rio de Janeiro

———————————————————————————————

Pois é… réveillon já passou. Se você quiser saber como foi, entre no meu post ‘Réveillon em Copacabana: fogos, fumaça, briga, tiros e lixo… muito lixo’

Para ver como os traficantes comemoraram a virada, entre no post: ‘Réveillon na favela – Morro da Mineira vira Copacabana com 20 minutos de fogos e tiros’

Como um bom blog dedicado a serviços, não poderia deixar de fazer o meu post anual sobre o reveillon no Rio de Janeiro, com dicas de festas, shows e lugares onde se divertir. Não importa se você quer gastar muito, pouco ou nada… aqui você vai encontrar a ‘boa’ que estava procurando para entrar em 2009 com o pé direito.

Este ano, para variar, deixei para postar em cima da hora, deixando pouco tempo para você se programar e pensar bem nas possibilidades. Mesmo assim, estamos aí.

Se você não é do Rio, aproveite para ler o meu post ‘Rio de Janeiro: o guia completo’, com todas as dicas e roteiros para você curtir a cidade. E para encontrar onde ficar, veja a minha ‘Lista de albergues e hotéis baratos no Rio de Janeiro’, a mais completa e desorganizada da internet.

Para dicas de festas GLS e de música eletrônica no réveillon, confira o post ‘Decida o seu réveillon: the GLS edition 2009‘ e para quem quer seguir para Buzios, leia o ‘Decida o seu réveillon – Búzios, 2009

Para curtir depois do réveillon – a roda-gigante que fica na praia de Copacabana vai ter uma filial do Café del Mar, com o DJ Hector Lopes, do bar em Ibiza, tocando às segundas. Para saber mais, leia o post ‘Uma roda-gigante em Copacabana’


.

Crise financeira e falta segurança

Para a galera que não quer gastar dinheiro em festas absurdamente caras, a praia é a solução. Infelizmente, com a crise financeira e problemas de segurança, parece que a diversão da virada ficou comprometida.  A PM não liberou os reveillons de Ipanema e Flamengo, onde haveria apresentações de música eletrônica. A desculpa é que o pessoal que freqüenta essas festas fica agressivo. Eu acho que na verdade há uma incapacidade dos órgãos de segurança de fazer um esquema para atender a quantidade de gente que invade a cidade em busca de diversão.

.

Uma atualização aqui da novela do réveillon em Ipanema: NÃO VAIL ROLAR NÃO. Clique aqui para ler o meu post com as novidades.

Além disso, dois patrocinadores deram para trás no último momento, levando embora R$ 2 milhões. Com isso, houve uma diminuição no número de torres e na qualidade dos shows. Basta dizer que nenhum nome de peso foi anunciado para as apresentações da virada de ano.

.

Vou atualizando aqui conforme as informações vão chegando. A leitora aqui do blog Raquel informou que o Skank foi anunciado para a virada em São Paulo. Fui pesquisar e vi que é verdade. A festa em Copacabana vai contar com shows de Mart´nália , do grupo Revelação e de baterias de escolas de samba, começando às 18h. Ou seja, do mesmo jeito que o réveillon do ano passado foi dedicado ao funk, este será o do samba. O palco principal, montado em frente ao hotel Copacabana Palace, será um gigante em formato octogonal, com sete metros de altura e 60 de diâmetro, permitindo que todos os presentes apreciem os shows. Este monstro ficará entre as ruas Santa Clara e Figueiredo de Magalhães, pertinho da saída do metrô Siqueira Campos (ainda bem que eu não moro mais por ali).

Clique aqui para ver um infográfico com o esquema de trânsito em Copacabana

Nesta quinta-feira, o secretário de turismo da cidade apresentou os detalhes da festa –

Na virada, 24 toneladas de fogos, distribuídos em oito balsas e que pipocarão por 20 minutos (quatro a mais do que no ano passado). Além disso, haverá uma mensagem de fim de ano com narração do autor Paulo Autran. Para que todos possam acompanhar a contagem, ela será exibida em uma roda gigante localizada no Forte de Copacabana, no Posto 6.

Clique na imagem para ver fotos da preparação das balsas para a queima de fogos

A grande atração da noite serão mesmo os fogos. Espalhadas pela praia, estarão as torres de som, com 12 metros de altura cada. A idéia é que todos façam a contagem regressiva ao mesmo tempo, evitando as festas paralelas. A empresa responsável pelo espetáculo promete uma queima de fogos com maior intensidade que no ano passado e com efeitos 3D.

.

Festas pagas

Falando agora nas festas pagas, continua no Rio aquela tendência de misturar DJs de música eletrônia, comercial, hip hop e baterias de escola de samba. Nada mal para quem gosta de ter opções variadas em um mesmo lugar.

.

Celebrare – Remo do Flamengo

Na festa Celebrare, no clube de remo do Flamengo, o som vai ficar a cargo do DJ adriano e da bateria da Mangueira. A festa fica praticamente dentro da Lagoa Rodrigo de Freitas, com uma bela vista para os fogos e a maior árvore de natal do mundo.  No cardápio – para citar o bom e velho Mr.catra – uisque, Red Bull e muita mulher boa. O preço, como em todas as festas de reveillon, é salgado: R$ 240 para mulher e R$ 290 para os homens… mas esse preço vai aumentando conforme os lotes de ingressos vão sendo vendidos.

Réveillon Celebrare

Réveillon Celebrare

Celebrare – Monte Líbano

Praticamente do outro lado da rua, acontece a festa irmã Celebrare no Monte Líbano, organizado pela mesma empresa. As atrações são a banda Celebrare (que só quem um pouco mais velho deve conhecer), DJs e a bateria da Grande Rio. O clube é grande e agradável, e os convites podem ser comprados para a pista (R$ 245), mesas (R$ 295) ou camarote (R$ 390). Nesta festa, além de open bar, há mesa de frios, sushi, comida árabe e outras guloseimas. Se você planeja ir com a familia, esta é a sua festa, pois a entrada de crianças é liberada,  os menores de cinco anos não pagam e os de até 12 anos pagam só a metade.

.

Hípica

Na tradicional Hípica, também na Lagoa, um cardápio variado de DJs de nomes curtos e estranhos: Saci, Tartaruga, Tubarão, Lulinha, Dadu e Tonha. Para compor a lista de atrações, só a conhecida banda Seu Cuca daria conta do recado.  Ahhh… tem também uma bateria de escola de samba (claro), mas ainda não foi divulgado qual será. A festa ainda conta com uma pista de música eletrônica, a Skol Beats Stage, com DJs e apresentação da ‘banda’ de trance Wrecked Machines.  A festa é uma das mais conhecidas. Faço um porém aqui: ano passado fiquei sabendo que faltou bebida e comida. Os preços ficam em R$ 310 para mulheres e R$ 240 para homens.

.

Jockey Club

No Jockey Club, também na Lagoa, outra festa concorrida e famosa. A abertura fica a cargo da banda Soul de Quem Quiser, seguido da bateria da Mangueira (que desafia as leis da física e consegue estar em duas festas ao mesmo tempo), e show do Monobloco. Tem ainda os DJ Kabull e André Mix. A festa será dividida em dois espaços. No espaço Gávea, preços de R$ 240 mulheres e R$ 280 homens. Já no espaço Lagoa, com mais conforto, banheiros exclusivos, monitores para as crianças e cardápio diferenciado, o valor é de R$ 350 mulheres e R$ 420 homens. Os menore de 12 anos pagam R$ 130. Quem estiver no espaço Lagoa poderá circular por toda a festa.

http://www.rioreveillon.com.br/site/index.html

.
Pão de Açucar

Para uma vista privilegiada dos fogos e de todo o movimento na cidade, a dica é o reveillon do Pão de Açucar. Nada como passar a virada em um dos cartões postais da cidade. A festa é dividida em duas, com um ingresso para o Morro da Urca, o mais baixo, e outro para o Pão de Açucar, o ponto final do bondinho.  Na primeira parada ficam os shows e atrações, na segunda, mais cara, um espaço lounge que só vale para ver os fogos com uma vista de 360 graus.  A música ficará a cargo de Lúcio-K, DJ Nelsinho, Dj Rafael de Lucca, Bateria da Mangueira, DJ Cidinho e Banda Groove Box. Na mesa, buffet de frios e salgadinhos rolando pelo local. Uma vantagem desta festa é o estacionamento gratuito. A desvantagem pode ser as longas filas que se formam para pegar o bondinho. Para quem quer pagar mais, a subida ao Pão de Açucar custa R$ 750 (adultos), R$ 150 (0 a 5 anos) e R$375 (6 a 12 anos). Os que quiserem ficar só no Morro da Urca pagam R$390 (masculino), R$ 360 (feminino), R$50 (0 a 5 anos) e  R$150 (6 a 12 anos).

Leia também: ‘Pão de açucar fica de fora da escolha das Sete Maravilhas da Natureza’

.

Hotel Intercontinental

Na festa do Hotel Intercontinental, em São Conrado, você vai ficar um pouco afastado do centro da bagunça de ano novo carioca. Na pista principal, os famosos DJs de nome esquisito e curto: Marcinho, Spock, Sapão, Darke e Roger. Na pista de música eletrônica, que é mais a minha área, os amigos Marcio Careca e João Paulo, além de Mary Olivetti e Rafael Nazareth. Para não sair do padrão, uma bateria de escola de samba (ainda não divulgada).  Os preços estão em R$ 300 para mulheres e R$ 390 para homens.

.

Museu de Arte Moderna

No Museu de Arte Moderna (MAM), com uma vista privilegiada para a Baía de Guanabara, a festa terá como atração principal o DJ Marlboro. Mas quem não curte funk não foi esquecido: na pista principal tem show com Rogê e, adivinhem… uma bateria de escola de samba convidada. Na pista de música eletrônica, os DJs David Amos e Julio Navas, além de um projeto formado pelos amigos Leo Janeiro e Marcelinho CIC.  O buffet é liberado e o bar, patrocinado pela Itaipava. O preço é que está bem salgado: R$511,58 para homens e mulheres.

Réveillon do Clube Costa Brava
Réveillon do Clube Costa Brava

.

Clube Costa Brava

Também um pouco afastado, mas em um clube com uma belíssima vista da cidade, a festa do Costa Brava aposta em um time de DJs gringos de Hip Hop para animar a virada. No outro palco, show com Serjão Loroza e Us Madureira. Na pista, o preço é de R$ 220 feminino e R$ 280 masculino. Quem quiser ficar na área VIP vai ter que desembolsar um pouco mais: R$ 420 feminino e R$ 460 masculino. O esquema é bebida e comida liberada. Veja onde comprar. http://www.funrio.com.br/eventos.asp?id=412

.

Hotel Intercontinental

Se você está com dinheiro sobrando, e já passou dos 30 anos, a festa do Hotel Sheraton é o lugar. As atrações são a banda Excentric, com música ao vivo até a meia-noite, e depois o DJ Felipe Andrade, da Bossa Carioca. Desta vez, não tem escola de samba, música eletrônica ou DJs de nomes curtos e estranhos. A festa é no sistema ‘tudo incluido’, com um belo cardápio. O preço, exorbitantes R$ 690, mais 10% de taxa de serviço.

O hotel também oferece um Jantar de Reveillon (R$ 350 + taxa), um café da manhã (R$ 75 + taxa), e um brunch (R$ 120 + taxa)

Réveillon no mar
Ainda para os endinheirados, que tal um reveillon em alto mar? A CVC oferece uma programação de sete noites no navio Zenith, partindo de Santos e passando por Itajaí, Copacabana, Búzios, uma ilha privativa e voltando para Santos. Os preços vão de  US$ 1.580 a US$ 3.490. Para dicas sobre cruzeiros, visite o meu post ‘Singrando os mares’

Uma outra opção de Reveillon em alto mar são os saveiros. Só para citar um, a empresa Trilha do Corpo oferece uma programação sainda da Marina da Glória, com transfer do hotel para o local, buffet e bebidas por R$ 400 (parceláveis em 5 x)

Bom, se eu souber de alguma outra dica, eu coloco aqui. Agora, vou preparar o post sobre o réveillon pelo Brasil. Se quiserem saber quando o blo é atualizado, assinem o RSS Feed clicando aqui.

.

E para todos, BOAS FESTAS!!!

backpacking in EuropeMochilar pode parecer tão simples quanto colocar uma mochila nas costas, pegar um avião, ônibus ou trem e ir… e realmente é, basta ter um dinheirinho no bolso e a vontade de aventurar-se. Como disse o fundador da Lonely Planet, Tony Wheeler, na introdução do seu primeiro guia de viagens, Across Ásia on the Cheap, “tudo o que você tem a fazer é decidir ir, e a parte mais difícil já está resolvida. Então vá!”.

Quando fiz a minha primeira viagem de mochilão pela Europa (foto), há quatro anos, fiquei dias lendo sites de dicas na internet, planejando roteiros, reservando albergues, vendo os dias grátis de museus. Pois bem, foi só eu chegar a Madrid que tudo foi esquecido e eu passei a viver um dia de cada vez: mudei os albergues, estiquei a minha estada em Amsterdam, diminui o tempo em Paris, visitei menos museus e passei mais tempo com os locais. Hoje, quando olho para trás, vejo que deixei de visitar diversos lugares que gostaria simplesmente por desorganização, mas sei também que, caso tivesse seguido todo o roteiro que preparei, minha viagem teria sido um saco, como aquelas excursões da CVC organizadas para velhinhos.

Lonely PlanetA minha sugestão então é, leia as dicas, mas não se prenda muito nisso. Elas serão muito úteis, mas cada um vai selecionar aquelas que têm mais a ver com o seu estilo de viagem. Eu vou começar pela mais básica de todas: compre um guia de viagens. Na minha humilde opinião, os da Lonely Planet são os melhores, mas os da Frommers também são muito bons, apenas não tão voltados para os mochileiros. Nestes guias você vai encontrar mapas, dicas de albergues, restaurantes, museus, boates e atrações, além de diversas referências históricas do lugar. Nesta minha viagem pela Europa, devo confessar que abri o guia poucas vezes, já que acabava pedindo as dicas dos locais e outros viajantes, mas sempre que precisei da sua ajuda, ele estava lá. Para ajudar na sua escolha, leia o post “Com que guia de viagem eu vou” aqui no Sem Destino.

Quanto ao destino, devo dizer que não sou muito a favor de conhecer diversos lugares em uma única viagem. Fiquei dois meses e meio na Europa, poderia ter conhecido sei lá quantas cidades, mas não troco por nada os meus dias relaxados na praia em Barcelona com os amigos que fiz por lá. Ainda me correspondo com eles e duas amigas minhas da Eslovênia já vieram me visitar. Acho difícil você criar este tipo de amizade se está pulando de um lugar para outro, além de não conhecer realmente a cidade e gastar muito tempo em ônibus, trem ou avião.

Locomoção – Definido o destino, é hora de pensar em meio de transporte. Para se deslocar dentro da Europa, uma das opções são as companhias aéreas low cost. Entre no site flylowcostairlines.org ou Skyscanner.net e pesquise os melhores preços. Talvez você até troque sua ida à Roma por uma viagem à Moscou por causa de uma promoção. Para dar uma idéia, meu irmão acaba de comprar para o ano que vem uma passagem Amsterdam / Berlim / Budapeste / Florença / Amsterdam por 250 Euros… em alta temporada. Uma passagem Amsterdam / Praga / Amsterdam está saindo por 100 Euros. Para vôos dentro dos EUA, tente o site da e.dreams e muitos outros, pesquise. Quando estiver organizando o itinerário dos vôos, aproveite para dar uma passadinha no site Frekfly, que oferece informações práticas sobre os aeroportos. Basta você colocar o aeroporto de saída e de chegada para saber o clima, a moeda local (e a taxa de conversão entre a moeda dos dois países), onde comer e se hospedar nas proximidades, além de fotos, depoimentos dos visitantes e a localização no GoooooogleMaps.

train stationOutra opção é fazer toda a viagem de trem, o que pode ser até parecer mais caro, mais demorado, mas nem sempre é. Confesso que gosto muito de viajar de trem – você pode ver os lugares por onde passa e conhece pessoas a bordo. O lado ruim é que as viagens podem levar algum tempo. De Madrid até Amsterdam, por exemplo, foi quase um dia inteiro. Para este tipo de viagem, você pode escolher um passe que cubra três países, quatro ou cindo países (que têm que ser fronteiriços) e uma combinação de dias e número de viagens. Os preços começam em 207 Euros para jovens abaixo de 25 anos, 270 Euros para adultos em grupos e 315 Euros para adultos sozinhos. Entre no site da Eurail e veja as possibilidades. E aqui vai uma pequena advertência, o Eurail não pode ser comprado na Europa. Você tem que comprá-lo antes de sair do Brasil. Nos Estados Unidos os trens também são uma excelente opção. Se você está em, digamos, Nova York, e quiser ir para Washington vai gastar uns US$130,00 em um dos trens da Amtrak.

Mas e aí, qual deles é melhor? Depende, as passagens de avião podem ser mais baratas, mas geralmente os vôos são para aeroportos longe da cidade, você gasta um tempão com check-in e tal e acaba, dependendo do vôo, se tem conexões, se desgastando muito mais. Lembre-se que em uma viagem de trem noturna você estará dormindo em uma cabine, descansado, além de economizar o dinheiro do albergue. Bom, há os ônibus também, bem mais baratos que os trens, porém mais lentos e menos confortáveis.

tramJá que estamos falando de locomoção nesta parte, vamos esgotar logo o assunto antes de passarmos para o próximo tópico. Quando você estiver dentro de uma cidade, nada de táxi. A maioria das cidades européias e americanas tem um excelente sistema de metrôs e ônibus, então por que você vai gastar o seu rico dinheirinho com essa bobagem? Apenas preste atenção na forma de pagamento. Em algumas cidades, não há roletas no metrô ou nos ônibus, ninguém te cobra nada, mas você tem que pagar mesmo assim, porque se o fiscal te pega sem o bilhete na mão, a multa é pesada. E não adianta falar com cara de bobo e sotaque de brasileiro que você não sabia… desconhecer as leis não é desculpa para não cumprí-las. Se não for muito – e eu me refiro aí a mais de 20 quarteirões – vá a pé. Não há melhor maneira de se conhecer uma cidade do que andando.

london undergroundPara ajudar na sua locomoção, pegue um dos muitos mapas disponíveis nos albergues, estações de metrô e guichês de informações ao turista (sim, eles têm isso por lá). Geralmente no começo parece impossível decifrar o mapa do metrô de Paris ou Londres, ou mesmo saber onde você está, mas depois que você aprende o macete da triangulação de ruas, fica tudo mais fácil.

A mochila – lembre-se que a sua mochila, para o bem ou para o mal, será a sua companheira inseparável de viagem. Nela você terá tudo o que precisa, mas qualquer coisa supérflua que colocar lá dentro vai acarretar em um peso extra que, após um dia inteiro de viagem, em um metrô lotado em Nova York, podem realmente te deixar estressado, ou pior, com uma baita dor nas costas.

Uma mochila de 75 litros é mais do que suficiente. Leve também uma outra, pequena, para usar no dia-a-dia. Quando for comprar a mochila, teste ela nas suas costas e veja se encaixa direito. Não é uma boa idéia levar nada de muito valor, já que você vai se hospedar em albergues e, por mais que nesses lugares eles disponibilizem um pequeno armário, nada garante que ele vai estar intacto quando você voltar do seu passeio até o Louvre. Já o dinheiro, os cartões e os documentos devem ficar o tempo todo com você, em uma daquelas pochetes que ficam junto ao corpo. Nada de deixar na mochila.

Vamos a uma pequena lista do que levar:

Despertador – porque você vai precisar acordar para horários de avião ou trens, ou para não perder o café da manhã do albergue, ou mesmo no trem, para não perder a estação.

Lençóis – alguns albergues cobram extra por eles ou, dependendo em que mafuá você for se enfiar, eles podem estar sujos, sei lá. Muitas pessoas recomendam levar, eu não levei e não tive problemas.

Lanterna – você vai entrar no quarto escuro, vindo de alguma boite, e não vai querer acender a luz e acordar seus companheiros de quarto, né?

Higiene – não preciso nem falar em escova e pasta de dentes. Lembre-se também que albergues não são hotéis e não terão shampoo e sabonetes esperando por vocês. Levem seus artigos de higiene básico. Leve também os medicamentos básicos que toma para problemas simples. Você não vai conseguir explicar o que é uma aspirina em Moscou, ou que precisa de um antiácido em Praga.

Garfo, faca, colher – para você comprar uma comida na rua e comer no albergue, ou fazer um piquenique no parque.

Caderno
– para escrever o telefone e email dos amigos que fizer, além de dicas de lugares para ir e qualquer outra coisa que você achar interessante.

Cadeado – para trancar as malas e fechar os armários nos albergues.

Documentos – não preciso dizer passagens, passaporte, eurail, reservas de albergues impressas. É bom tirar também a carteirinha de estudante internacional, não só pelos descontos, mas porque alguns albergues a exigem. Verifique também a exigência de vacinação em alguns países. Com esse surto de febre amarela, é capaz de mais países exigirem isso.

Eletrônicos – máquina fotográfica e MP3 player. Se o seu cartão de memória ficar cheio, há muitos lugares onde você pode passar tudo para CD. Mas não esqueça de pedir para checar o CD antes de sair, pois foi exatamente assim que eu perdi quase todas as minhas fotos da Europa.

mapLivros – Guia de viagem e, se você vai fazer muitas viagens de trem, talvez alguma coisa para ler nesses deslocamentos. Resista à idéia de levar livros para ler na viagem, geralmente eles voltam sem que você tenha lido uma única página, além de serem um grande peso na mochila.

Roupas – aí o negócio é mais complicado, porque depende muito do lugar para onde você vai, do clima, da sua personalidade e tal. O mais importante é você não se empolgar, pensar em roupas versáteis, leves, que sirvam tanto para o dia quanto para a noite. Uma boa idéias são as calças que viram bermuda. Pense menos na aparência e mais na utilidade das roupas, afinal você é um mochileiro. Outra dica é que os sapatos podem ser amarrados do lado de fora da mochila para ocupar menos espaço.

Você também pode levar umas camisas do Brasil, dessas baratinhas de camelô, para servir de moeda de troca ou para agradar algum amigo novo.

Hospedagem – se você é um mochileiro, você vai para um albergue. Há opções de hotéis baratos tanto nos EUA como na Europa, mas qual é a graça? Em um albergue você conhece pessoas de todos os países, descobre o que fazer, encontra companhia para passear pela cidade. Existem diversos sites onde você pode pesquisar albergues em todo o mundo, como o Hostel Bookers, o Hostel World, o Hostels of Europe e a Hosteling International, conhecida aqui no Brasil como albergues da juventude.

E como você vai escolher o seu albergue? É difícil se você não conhece a cidade saber se vai estar em uma boa localização. Complicado também é saber se o albergue realmente oferece aquilo que está sendo divulgado no site. Em Madrid, os banheiros do albergue que escolhi não tinham chuveiro, apenas uma banheira meio suja. Já em Paris, todo dia os caras vinham e recolhiam as camas onde eu e meu irmão estávamos dormindo exatamente às 8 horas da manhã (até hoje isso é um mistério para mim). Para tentar saber mais sobre o albergue, tente reservar diretamente com eles. Mande um email cheio de perguntas, ou melhor ainda, ligue e veja como é o atendimento (pelo Skype, claro, para não gastar uma fortuna). Geralmente, pelo atendimento você já pode sentir mais ou menos o que te espera.

Se você tem um orçamento apertado ou quer conhecer melhor a cultura dos países que vai visitar, aí a opção é ficar na casa de alguém por lá. Você pode até achar estranho se hospedar com uma pessoa que nunca viu antes, mas são cada vez mais comuns os sites de relacionamento no estilo do Orkut onde as pessoas se oferecem para receber viajantes em suas casas. Você vai lá, faz o seu perfil, começa a criar uma rede de amizades e, quando for planejar a sua viagem, simplesmente começa a procurar pessoas que combinem com você nos países que vai visitar. Os sites Couch Surfing e Hospitality Club são os mais conhecidos, mas há outros. Para saber mais sobre isso, leia o post “Surfando os sofás do mundo” no meu blog Sem Destino.

Carteiras de descontos – Algumas carteirinhas oferecem descontos em albergues, passes de trem, museus, teatros, restaurantes, etc. A mais conhecida é a Carteira Internacional de Estudantes, a mesma que temos aqui no Brasil. A Carteira do Alberguista oferece desconto em hospedagem em diversos albergues. Já a Carteira do Jovem é para aqueles que já não são mais estudantes, mas ainda não passaram dos 25 anos.

Alimentação – Isso vai depender do seu orçamento, mas se ele estiver apertado (como o da maioria dos mochileiros), tente escolher um albergue que ofereça café da manhã. Alguns albergues maiores, inclusive, não se incomodam se você fizer um sanduíche extra e colocar na mochila. A maioria possui também uma cozinha onde você pode preparar a sua própria refeição, fique ligado apenas nas regras em relação à geladeira. Compre uma garrafa d´água em um supermercado, longe dos locais turísticos. Digo isso porque a minha falta de programação me fez comprar uma bem em baixo da Torre Eiffel, pela bagatela de 5 euros.

Se você fuma, lembre-se que os cigarros na Europa e nos Estados Unidos são absurdamente caros, e que você está autorizado a levar até dois pacotes do Brasil.

Bom, dicas não faltam, mas acho que as principais estão aí. O resto é com vocês. Como falei no começo, não se prenda tanto no planejamento. Chegando lá, vai tudo mudar mesmo. Se você tiver um roteiro prevendo uma visita ao Van Gogh Museum no primeiro dia, vai encontrar um grupo de australianos no albergue e acabar em algum bar do Red Light District. E se tudo der errado e você estiver em Madri, sem dinheiro, dormindo no banco de uma praça as 7 da manhã esperando o seu vôo que só sai à meia noite (como aconteceu comigo), lembre-se que isso será uma excelente história para contar aos amigos quando você voltar para casa.

PS.:
Se você vai mochilar pelo Brasil e passar pelo Rio de Janeiro, leia o meu post “De Mochilão no Rio de Janeiro” e a “Lista de albergues do Rio de Janeiro”, que embora esteja um pouco desorganizada, é a mais completa da internet. Para quem escolheu São Paulo como destino, leia a “Lista de albergues e hotéis baratos em São Paulo“.

Visite:

O Pensador Selvagem

cruise_ill.jpgConforme falei no post anterior, comecei a escrever para um site chamado O Pensador Selvagem, onde possuo uma coluna de viagens e turismo chamada Por Aí. No meu primeiro artigo por lá, escrevi sobre os cruzeiros marítimos temáticos que estão fazendo com que um público cada vez mais diversificado opte por este tipo de viagem.

A imagem que me vinha a cabeça sempre que eu pensava em um cruzeiro marítimo era a de velhinhos dançando ao som de “New York, New York” em um salão luxuoso, com smoking e vestidos de baile, bebendo drinks exóticos enquanto o navio singrava os mares a caminho de algum paraíso tropical.

Isso mudou… se entre os anos 60 e 80 a idade média dos passageiros era de 60 anos, com o crescimento do setor este número baixou para 40 e deixou de ser importante, pois as empresas passaram a oferecer produtos específicos para cada segmento. Ok, se você embarcar em um cruzeiro comum pelo caribe, a faixa etária estará em algo entre os 35 e 55 anos, mas o que estamos falando aqui é de cruzeiros temáticos, para jovens, casais em lua de mel, solteiros, gays, swingers, nudistas e sei lá mais o que.

island-escape-rio-02.jpgNo meu artigo n´O Pensador Selvagem, listei diversas dicas de viagens assim – com o navio Island Escape fazendo roteiros com música eletrônica, festas de solteiro, anos 80 e 90, o MSC Opera com a sua dança de salão, o Costa Mágica com a malhação a bordo, O Island Star com os cuidados para o corpo, o Costa Clássica com a degustação de pratos preparados por grandes chefs e um cruzeiro dedicado à arte no Costa Victória. Então, para escolher a sua viagem, dê uma passadinha lá.

O que vamos falar aqui é para os “marinheiros de primeira viagem”, aqueles que querem saber o que levar para um navio, o que fazer se passar mal, quais os documentos necessários e etc…

No meu artigo para o site, foquei nos cruzeiros nacionais. Mas vou tentar aqui nas dicas me internacionalizar um pouco, falando sobre como proceder também em cruzeiros maiores, para, digamos, a Antártica. E como brinde, no final, selecionei mais alguns roteiros interessantes.

island-escape-suite-com-varanda-01.jpgSua Mala – Não quero parecer óbvio, mas tenha em mente o cruzeiro que você escolheu, por onde ele passará e quais os tipos de festa que terá a bordo. Lembre-se que a noite, no mar, venta e pode fazer frio e que, dentro do navio, o ar condicionado deve estar ligado no máximo. Leve também uma mala de mão, com nécessaire, uma muda de roupa e artigos básicos, pois geralmente as malas demoram um pouco para chegar no quarto após o check-in. O limite de peso da mala é de 90 Kg.

Alguns cruzeiros oferecem um jantar formal conhecido como “Noite do Comandante”, que requer roupa de gala, ou seja, terno e gravata para os homens e vestido longo para as mulheres. Mas não é obrigatório, e se você não quiser entrar na festa, é só seguir para algum dos outros restaurantes do navio ou pedir comida na sua cabine.

island-escape.jpgCheck-in – Não deixe para fazer o check-in em cima da hora. Lembre-se que os navios acomodam milhares de pessoas e as filas podem ser gigantes, principalmente nos portos mal preparados do Brasil. Se você vai pegar um navio em algum outro país, programe-se para chegar lá com pelo menos um dia de antecedência.

Taxas – além do valor da passagem, incluam no orçamento as taxas portuárias e de serviço e o seguro. Só para dar um exemplo, em uma viagem cara como a do Splendour of the Seas para a Europa, você terá que desembolsar US$137 de taxa de serviços, US$284 de taxa portuária e US$90,00 de seguro para 22 dias. Para um mini cruzeiro de três dias, porém, este valor cai para US$25 de serviço, US$76 de taxa portuária e US$14 de seguro.

Informe-se – Os jornais informativos ou folhetos de atividades do dia, com horários de navegação, desembarque, previsão do tempo, excursões, refeições, são deixados diariamente em sua cabine. Se ainda assim você tiver dúvidas, a recepção do navio é o lugar para tirá-las.

Excursões – muitos cruzeiros oferecem passeios programados em suas paradas. Aí é com você. A minha idéia é a seguinte: compre um guia Lonely Planet dos lugares onde você vai passar e também faça uma pesquisa antes da viagem. Se a excursão for passar pelos lugares que te interessam, pode ser uma boa. Se você resolver sair por conta própria, tenha sempre em mente o horário de retorno e planeje muito bem o meio de transporte. Verifique se há táxis ou se os ônibus funcionam até o horário que você planeja voltar. Você não quer ficar, literalmente, a ver navios (horrível essa… promento não fazer de novo).

ship-on-port.jpgEnjôos – Por mais que os navios modernos de hoje em dia possuam estabilizadores, é possível que você fique enjoado. Aliás, é muito provável que você fique enjoado. Se você é daquelas pessoas que enjoa em carro, ônibus ou avião, aí é mais do que certo que isso vai acontecer. O amigo blogueiro Arnaldo, do Fatos & Fotos de Viagens, um excelente blog com uma das matérias mais completas sobre cruzeiros que já li, nota que a nauseado vem do grego “naus” que significa navio, barco. Ele dá algumas dicas para vencer este problema.

1 – Preparação – se você tem propensão a ficar enjoado em viagens, prepare-se antes de embarcar em um cruzeiro freqüentando uma academia de ginástica e buscando orientação especializada, através de exercícios de isometria. Segundo ele, atividades aeróbicas, musculação, esportes e a tal da isometria podem curar este problema.

2 – Tente estabelecer uma referência visual – Não descer para cabinas, pois você não vai encontrar objetos fixos. Sente-se fixo no centro da popa do barco, (longe da fumaça e cheiro de diesel), onde o movimento é mínimo, tente se concentrar num objeto fixo na costa. Se for necessário ficar numa cabina, certifique-se que esta seja bem ventilada e se possível que tenha um ventilador.

ship-on-port-02.jpg2 -Não beba nada que contenha álcool – isso só vai piorar a situação.

3 – Hidrate-se – Beba água ou outra bebida que tenha um certa quantidade de açúcar (Gatorade etc…), mas que não contenha gás, principalmente depois de vomitar para evitar desidratação. Tente comer também um biscoito salgado.

4 – Algumas pessoas encontram conforto indo para a água.

Para evitar o enjôo, evite bebidas alcoólicas, comidas gordurosas e a falta de descanso. Procure também por medicamentos, que podem ser comprados sem prescrição médica. Para isso, de preferência consulte um médico e veja como você reage ao medicamento antes de viajar, já que muitos provocam reações adversas. Eu costumo tomar Dramim quando estou mareado, mas sei que logo depois irei dormir por algumas horas. Existem também adesivos que você pode colocar… mas repito minha recomendação: procure um médico e veja o que é melhor para você. E se você enjoar no navio, procure a enfermaria, que segundo nosso amigo Arnaldo, possui remédios “milagrosos”.

Room Service – Para o café da manhã, o serviço é gratuito. Basta preencher o menu e colocar do lado de fora. Nos demais horários, é cobrada uma taxa. O serviço funciona 24 hs.

splendour-suite.jpgCabine – Não é permitido o uso de eletrodomésticos na cabine, especialmente ferro de passar roupa. As cabines têm secadores de cabelos. É proibido o embarque com equipamento de som com qualquer tipo de amplificação.

Pagamento das despesas – a maioria dos cruzeiros hoje em dia funciona no sistema all inclusive, ou seja, tudo incluído no valor da passagem, você come e bebe sem se preocupar com as conseqüências financeiras dos seus atos no final da viagem. Para os roteiros que não funcionam neste sistema, é necessário informar a forma de pagamento no início da viagem, cadastrando o seu cartão de crédito ou, em caso de pagamento em dinheiro, fazer depósitos regulares conforme você for gastando. Com isso, você recebe o cartão magnético da empresa, com o qual faz os pagamentos dentro do navio.

Alimentos e bebidas – nem pense em levar aquela garrafa de uísque doze anos que você ganhou de natal. É proibido levar qualquer tipo de alimento ou bebida adquiridos fora do navio.

Documentação – se você vai fazer um roteiro internacional, não esqueça de perguntar à companhia de cruzeiros quais são os documentos necessários em cada um dos portos em que o navio fará parada. Em alguns, você poderá tirar um visto dentro do próprio navio, ou não precisará dele caso faça a excursão oferecida pelo cruzeiro. Informe-se bem antes de viajar, para não ter que ficar dentro do navio enquanto todos passeiam em terra firme.

msc_opera_big.jpgBom, acredito que eu tenha falado sobre os principais pontos, mas se vocês quiserem saber mais, visitem a página do Arnaldo. Lembrem-se também de, ao marcar um cruzeiro, fazer muitas perguntas ao seu agente de viagens. Quando se está em terra e há um problema, você muda de hotel, de cidade e até de país. Em um navio, não há como fugir.

Vamos então aos roteiros que separei, lembrando que há muitas outras opções no meu artigo no site O Pensador Selvagem, sendo que ali separei os roteiros temáticos e de curta duração (geralmente mais baratos, festeiros e com mais jovens). Aqui, vou dar mais atenção aos roteiros mais longos, conseqüentemente mais caros e com uma média de idade mais elevada.

antartica.jpgUma das opções que mais me chamou a atenção foi o Rumo à Antártica. São 18 noites a bordo do Azamara Journey, um navio médio, com 181 metros e 358 cabines para 694 passageiros. O Roteiro tem início em Buenos Aires no dia 9 de fevereiro com parada nas Ilhas Malvinas (ou Falkland, se você preferir), seguindo para Coronation Island, Elephant Island e Deception Island, já na antártica e retornando pelo Cape Horn (Chile), Ushuaia (Argentina), Punta del Este e Montevidéu (Uruguai) até chegar novamente em Buenos Aires. Um roteiro para ninguém colocar defeito.

 

azamara-antartica.jpg

Para quem gostou do roteiro acima mas achou a ida à Antártica uma fria (eu prometi que ia para com os trocadilhos infames, mas não resisti) os cruzeiros para a Terra do Fogo são uma opção. O gigante Costa Victoria, com suas 964 cabines para 2.394 passageiros espalhadas por 253 metros, faz um roteiro de 22 noites saindo do porto de Santos no dia 18 de fevereiro. As paradas acontecem no Rio de Janeiro, Buenos Aires, Montevidéu, Puerto Madryn (AR), Punta Arenas (CH), Baia Garibaldi, Ushuaia (AR), Ilhas Malvinas, Buenos Aires de novo, Punta del Este, Porto Belo e Santos. Se você preferir, pode começar o roteiro pelo Rio de Janeiro no dia 19, mas vai ter que voltar por Santos. O preço por pessoa em cabine dupla varia de US$2.649 (cabine interna) a US$6.359 (mega suite com vista para o mar).

splendour-pool.jpgUm parêntese aqui… quando eu penso nos preços dos cruzeiros, eu cada vez mais me convenço que realmente esta é uma boa opção de viagem. Se você colocar na ponta do lápis os gastos com passagens, hotéis, aluguel de carro, alimentação e entretenimento que teria em uma viagem em que se dispusesse a conhecer tantos lugares em um curto espaço de tempo, com certeza o valor estaria próximo a este. A questão aí é que realmente são viagens diferentes. Em uma, você vai fazer as refeições e se divertir dentro do navio, na outra, você vai conhecer a cultura, a comida e as pessoas do local. Estou falando também de pessoas que viajam no esquema avião, hotel, restaurante, carro alugado… porque realmente não dá para comparar com as minhas viagens low budget, no esquema albergue, casa de amigos, trem, ônibus, passagens em promoção, museus grátis aos domingos, etc.

splendour-flyer-01.jpgOk… mas voltando à Terra do Fogo. Outro navio a fazer o roteiro é o famoso Splendour of the Seas, da Royal Caribbean. São 902 cabines para 2.076 passageiros confortavelmente alojadas em 279 metros. O Splendour fará duas saídas para a Terra do Fogo em março, uma no dia 09 e outra no dia 22. Na primeira viagem, saindo de Buenos Aires, ele vai passar por Punta del Este, Porto Madryn (Argentina), Cabo Horn (Chile), Ushuaia (Argentina), Punta Arenas (Chile), Estreito de Magalhães, Fiorde Chileno, Porto Montt (Chile), La Serena Coquimbo (Chile) e Valparaíso (Chile). Na Segunda, saindo de Valparaíso (Chile) as paradas serão em Porto Montt (Chile), Fiorde Chileno, Estreito de Magalhães, Punta Arenas (Chile), Ushuaia (Argentina), Cabo Horn (Chile), Porto Madryn (Argentina), Buenos Aires, Rio de Janeiro e Santos.

O navio se despede do Brasil no dia 06 de abril, em um cruzeiro de 14 noites que sai de Santos, dá uma passada nos portos brasileiros do Rio de Janeiro, de Santos e do Recife e segue para Agadir e Casablanca no Marrocos, fazendo sua parada final em Lisboa.

splendour.jpgOutros navios aproveitam o fim da temporada no Brasil para organizar roteiros para a Europa. O Azamara Journey parte no dia 24 de fevereiro de Santos, para 19 noites de viagem passando por Salvador, Maceió, Recife, Mindelo (Cabo Verde), Santa Cruz de Tenerife (Ilhas Canárias), Funchal (Ilha da Madeira), Casablanca (Marrocos), Gibraltar (Reino Unido), Barcelona (Espanha) e Savona (Itália). O pequeno Grand Voyager, de 180 metros, com 418 cabines para 836 passageiros, se despede no dia 23 de fevereiro, em uma viagem de 11 noites até Valência, na Espanha, saindo de Santos e passando por Rio de Janeiro, Salvador, Recife e Fernando de Noronha.

cruise-pool.jpgO MSC Sinfonia parte do Rio de Janeiro no dia 01 de março com destino à Itália. Com 777 cabines para 2.087 passageiros, o navio vai passar por Búzios, Salvador, Mindelo (Cabo Verde), Santa Cruz do Tenerife (Ilhas Canárias), Funchal (Ilha da Madeira), Tangier (Marrocos), Túnis (Tunísia), Dubrovnik (Croácia) e Veneza (Itália). Já seu irmão maior, o MSC Opera, com 856 cabines para 2.055 passageiros, vai para a Alemanha, saindo de Santos no dia 31. O Roteiro passa por Rio de Janeiro, Maceió, Fortaleza, Mindelo (Cabo Verde), Santa Cruz de Tenerife (Ilhas Canárias), Lisboa (Portugal), La Coruña (Espanha), Dover (Inglaterra) e chega em Kiel (Alemanha) no dia 20 de abril.

Bom, se você é um marinheiro de primeira viagem e acredita que esses roteiros longos assim seriam muita emoção (ou muito caros), há também a opção dos mini-cruzeiros. São três ou quatro noites passando por lugares como Búzios, Angra dos Reis, Florianópolis, Ilha do Mel. O navio Island Escape é especialista neste tipo de viagem, siga o link e dê uma olhada no que ele tem a oferecer. Outra opção são os roteiros de seis noites para Fernando de Noronha oferecidos pelo diminuto Pacific, com apenas 328 cabines para 658 passageiros. O navio funciona mais ou menos como um ônibus circular, passando por Recife, Natal, Fortaleza e Fernando de Noronha continuamente do dia 09 de fevereiro até o dia 06 de março. Você pode começar o cruzeiro em qualquer um dos portos, em diversas datas diferentes.

 

pacific-02.jpg

 

grand-amazon-01.jpgPara terminar este meu loooongo post, vamos falar dos cruzeiros pluviais. Isso mesmo, pelos rios da Floresta Amazônica. O navio que faz este roteiro é o Ibero Star Grand Amazon. Apesar do nome imponente, ele possui apenas 74 cabines para 150 passageiros, espalhadas por 90 metros, o que não quer dizer que ele não possua piscinas, jacuzzis, restaurantes e bares. De 3 a 27 de abril, o Grand Amazon vai alternar dois roteiros pela região. O primeiro, de três noites, sai de Manaus, sobe o Rio Manacaparú até o Lago Janauacá e retorna para a capital. O segundo, de quatro noites, sai também de Manaus, segue até o Lago Jacaré e passa pelos rios Puduari e Cuieiras antes de retornar.

E chega, quem quiser saber mais, aí vão os links para as diversas empresas que fazem roteiros por aí…

Azamara Cruises

Costa Cruzeiros

Iberostar

Island Cruises

MSC Cruises

Pullmantur

Royal Caribbean

Próxima Página »